conecte-se conosco


CIÊNCIA E SAÚDE

Com hospitais lotados, região se aproxima do colapso na saúde

Publicado em

CIÊNCIA E SAÚDE

Levantamento feito pelo jornal A Cidade junto a todos os hospitais públicos, referenciados para o atendimento de pacientes com Covid-19, na área de abrangência da DRS XV, revela que a região está próxima do temido colapso na saúde. A Santa Casa de Votuporanga já trabalha com lotação máxima desde terça-feira (21), o que obriga a transferência de novos pacientes para outros hospitais. O problema é que na região já quase não há mais vagas.

De acordo com os números oficiais da Secretaria Estadual de Saúde, a taxa geral de ocupação dos leitos para coronavírus na região é de 77,9% na UTI (Unidade de Terapia Intensiva) e de 52,4% na enfermaria. Os números são referentes aos atendimentos no HB e Santa Casa, de Rio Preto, Hospital Emílio Carlos (Padre Albino), em Catanduva, Hospital Nossa Senhora Mãe da Divina Providência (Frei de Jaci) e Santas Casas de Votuporanga, Fernandópolis, Jales e Santa Fé do Sul.

Com exceção de Jales e Jaci (que inaugurou 10 leitos anteontem), todos os demais estão com mais de 80% de suas UTIs ocupadas, sendo que, além de Votuporanga, Santa Fé do Sul também já atingiu 100% de ocupação.

Os números mais preocupantes estão relacionados aos hospitais Rio Preto, maior cidade da região, e que também vem numa crescente de casos. Por lá, a Santa Casa, que é basicamente destinada a pacientes da cidade, já atingiu a taxa de 95% da capacidade da enfermaria e 88,88% (ambas chegaram a 100% no último fim de semana) e o Hospital de Base, que dá suporte para todas as cidades da região, bateu ontem a taxa de 89,74% da UTI e 41,79% na enfermaria.

Leia mais:  Araxá volta a permitir venda de bebidas alcoólicas ao seguir determinações da Onda Roxa do Minas Consciente

Diante da gravidade dos números, o prefeito de Rio Preto, Edinho Araújo (MDB), fechou um convênio com o Hospital Nossa Senhora Mãe da Divina Providência, em Jaci. A Prefeitura de Rio Preto vai pagar valores da tabela SUS, enquanto o hospital cede infraestrutura e recursos humanos, para 20 leitos de UTI e 15 de enfermaria, exclusivo para pacientes residentes na cidade. O problema é que com a transferência dos pacientes rio-pretenses, a enfermaria já está com 100% e ocupação e a UTI, criada anteontem, chegou a 30%.

Sem destino

Foi para o HB, em Rio Preto, que Votuporanga enviou seus pacientes quando a Santa Casa atingiu ocupação máxima, pela primeira vez, no começo do mês de junho. Agora, já reforçado com oito novos leitos liberados pelo governo do estado, o hospital volta a encarar a mesma realidade, só que sem destino definido de encaminhamento dos novos casos.

Ontem, com a morte de dois pacientes que estavam na UTI, a taxa baixou para 88,88%, e a enfermaria, que chegou a ultrapassar mais de 50% de sua capacidade máxima, baixou para 88,2% com a alta de três pacientes.

Leia mais:  No maior cemitério do Brasil, coveiros experimentam o peso do coronavírus

“Diante do cenário preocupante, a Santa Casa precisará fazer a transferência para outros hospitais da região. Este processo é feito via Central de Regulação de Ofertas de Serviços de Saúde (CROSS), que indica para qual instituição de saúde o paciente será encaminhado, sem a interferência da nossa equipe de gerenciamento de leitos”, disse a Santa Casa, em nota.

Critérios

O CROSS leva em consideração uma série de questões para o encaminhamento dos pacientes, porém, se analisarmos apenas a distância, a Santa Casa de Jales, que tem “apenas” 66% da UTI ocupada poderia ser a primeira opção. O problema é que só há mais duas vagas por lá.

Fernandópolis também está oscilando entre a ocupação máxima e a taxa de 80% há praticamente uma semana. Ontem, até o fechamento dessa edição, só havia uma vaga disponível.

 

Por: A Cidade

Comentários Facebook
Propaganda

CIÊNCIA E SAÚDE

Capacitação para agentes de endemias em Carneirinho

Publicados

em

Na manhã de hoje (22), os Agentes de Endemias da Secretaria Municipal de Saúde de Carneirinho participaram de uma capacitação de como usar como usar veneno pra matar as larvas em reservatórios e recipientes.

De acordo com o Diretor de Vigilância Sanitária e Epidemiologia, Fábio Souza Ribeiro (Fabio Caixeta), antes o produto utilizado era em pó e agora é em comprimido.

Comentários Facebook
Leia mais:  Em novo alerta, OMS diz que há 'grande preocupação com a letalidade e a transmissão do vírus' no Brasil
Continue lendo

ITURAMA E REGIÃO

POLICIAL

POLÍTICA

ECONOMIA

Mais Lidas da Semana