conecte-se conosco


POLÍTICA

Com DEM próximo a Bolsonaro, Doria revê planos para aliança em 2022

Publicado

source
Governador João Doria (PSDB)
Governo do Estado de São Paulo/Divulgação

Governador João Doria (PSDB)

O plano do governador de São Paulo, João Doria (PSDB), de ter o DEM como um dos sócios principais em seu projeto presidencial para 2022 sofreu um abalo com a crise gerada dentro do possível aliado por causa da eleição para a presidência da Câmara.

Políticos próximos ao tucano avaliam que o episódio mostrou que o cenário é incerto e o DEM só decidirá o seu caminho na disputa pelo Palácio do Planalto quando as chances de vitória dos nomes colocados estiverem mais claras. Parte dos correligionários de Doria reconhece que não pode ser descartada a possibilidade dos democratas apoiarem a reeleição do presidente Jair Bolsonaro.

O embate entre o ex-presidente da Câmara Rodrigo Maia (RJ) e o ex-prefeito de Salvador ACM Neto, presidente da legenda, também deixou explícita a divisão interna no DEM.

Na estratégia definida por Doria, o apoio do DEM ao seu projeto presidencial seria amarrado com a adesão do PSDB à candidatura de seu vice, Rodrigo Garcia, ao governo paulista em 2022. Aliados do governador apostam na força de Garcia no DEM para consolidar um acordo. O vice é o principal nome do partido em São Paulo, onde os democratas governam 66 cidades.

Leia mais:  "Ex-presidanta" e "piada": clã Bolsonaro debocha de Dilma após discurso em Paris

Há um movimento nos bastidores para levar Garcia ao PSDB. Seria uma solução para que o partido mantenha a cabeça de chapa e não corra o risco de perder o governo do estado mais rico do país, comandado pelos tucanos de forma quase ininterrupta há 25 anos.

Você viu?

Se for levado em consideração, porém, o projeto de Doria, a movimentação não seria um bom negócio. Um político próximo ao governador entende que, se Garcia debandar, e Maia o seguir —nesta semana o deputado ameaçou mudar de legenda após se desentender com ACM Neto —, o DEM se aproximará de vez do bolsonarismo e qualquer possibilidade de aliança com o PSDB estará descartada.

Mas se a eleição para a presidência da Câmara deixou mais complicada a aproximação com o DEM, por outro lado, o episódio serviu para estreitar laços de Doria com o MDB, na avaliação de aliados do governador. O entendimento é que ficou claro o esforço do tucano para conter o desembarque de deputados do PSDB da candidatura de Baleia Rossi, mesmo quando a derrota do emedebista já estava clara.

Leia mais:  Governo investigava secretamente gestão de Mandetta, diz revista

O primeiro gesto para atrair o MDB havia sido feito no ano passado, com a escolha de Ricardo Nunes para ser o vice na chapa do prefeito Bruno Covas (PSDB), que acabou reeleito.

Parte dos aliados de Doria também minimizam a derrota na eleição da Câmara e avaliam que é preciso cautela para analisar o episódio. Eles acreditam que o governo deve ter dificuldades de aprovar reformas com Lira. Também preveem atritos com deputados em razão do apetite do centrão e da falta de recursos no orçamento em meio à pandemia.

Em contrapartida, acreditam que a vacina CoronaVac deve ajudar a pavimentar a candidatura de Doria em 2022 e viabilizar, no estado, uma retomada econômica mais rápida que no conjunto do país.

Comentários Facebook
publicidade

POLÍTICA

Comissão de Educação da Câmara pode ficar com deputados bolsonaristas

Publicado

por

source
Deputada federal Aline Sleutjes (PSL-PR)
Gustavo Sales/Câmara dos Deputados

Deputada federal Aline Sleutjes (PSL-PR)

Com o adiamento das definições dos presidentes das comissões da Câmara para a semana que vem , deputados bolsonaristas começaram a negociar para que eles sejam os escolhidos para o comando da comissão de Educação da Casa. A informação é do jornal Folha de S.Paulo

Os nomes mais fortes para assumir o órgão colegiado são os dos deputados Carlos Jordy (RJ) e Aline Sleutjes (PR). Os dois são da ala bolsonarista do PSL e têm forte apelo nos posicionamentos ideológicas de apreço do governo Jair Bolsonaro (sem partido), sendo alguns dos principais aliados do presidente na Câmara .

Sleutjes ainda é investigada no inquérito que apura financiamento a atos antidemocráticos, que é conduzido sob relatoria do ministro Alexandre de Moares, do Supremo Tribunal Federal (STF). A definição é prevista para os próximos dias.

Desde o início das negociações, o grupo bolsonarista da legenda manteve como alvo principal a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), considerada a mais importante da Câmara. Já é quase certo que a CCJ fica com a deputada bolsonarista Bia Kicis  (PSL-DF), também investigada no inquérito que apura atos antidemocráticos e ​​no das fake news.

Leia mais:  Toffoli não vê "transmissão de responsabilidade" em visita de Bolsonaro ao STF

No caso da Comissão de Educação, no entanto, ela também é considerada estratégica para o grupo. Assim como Bolsonaro, seus apoiadores veem o tema como o campo de batalha para pautas ideológicas no governo, que guarda pouca conexão com os problemas reais do Brasil.

O objetivo da conquista do comando da comissão seria a suposta proeminência da esquerda no setor e o fortalecimento de pautas de fundo religioso.

Nas últimas semanas, a comissão de Educação chegou a ser prometida para o DEM durante negociações tocadas pelo presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL). A legenda ainda mantém articulação para ficar com o colegiado.

Comentários Facebook
Continue lendo

Mais Lidas da Semana