conecte-se conosco

CIÊNCIA E SAÚDE

Câncer de mama: inteligência artificial bate médicos em diagnósticos

Publicado

inteligência artificial é mais precisa do que os médicos no diagnóstico de câncer de mama a partir de uma mamografia. É o que sugere uma pesquisa publicada na revista científica Nature.

O estudo, conduzido por uma equipe internacional, incluindo pesquisadores do Google Health e da universidade Imperial College London, desenvolveu e treinou um modelo de computador com base em imagens de raios-X de mamas de quase 29 mil mulheres.

O algoritmo em questão superou seis radiologistas na leitura das mamografias.

E se mostrou tão eficiente quanto dois médicos trabalhando juntos.

Quão mais eficiente?

Atualmente, o sistema público de saúde britânico (NHS, na sigla em inglês) prevê que dois radiologistas analisem os raios-X de cada paciente. Em casos raros em que discordam do diagnóstico, um terceiro médico avalia as imagens.

No estudo, um modelo de inteligência artificial recebeu imagens anônimas, para que as mulheres não pudessem ser identificadas.

Diferentemente dos médicos, que tinham acesso ao histórico das pacientes, a inteligência artificial se baseou apenas nas mamografias.

Os resultados mostraram que o modelo de inteligência artificial era tão eficiente quanto o atual sistema da leitura dupla dos exames feita pelos médicos.

E se mostrou mais preciso no diagnóstico do que a análise de um único médico. Nestes casos, houve uma redução de 1,2% em falsos positivos — quando o exame aponta, erroneamente, a presença de câncer de mama; além de uma redução de 2,7% nos falsos negativos, quando o exame falha em identificar a existência da doença.

“Nossa equipe está muito orgulhosa dos resultados da pesquisa, que sugerem que estamos no caminho de desenvolver uma ferramenta que pode ajudar os médicos a identificar o câncer de mama com maior precisão”, afirmou Dominic King, do Google Health.

Leia mais:  Começou hoje a segunda etapa de vacinação contra o sarampo

A maioria das mamografias usadas no estudo faz parte do banco de dados da organização britânica Cancer Research UK, que foram coletados no St George’s Hospital, em Londres, no Jarvis Breast Centre, em Guildford, e no Addenbrooke’s Hospital, em Cambridge.

Para se tornar um radiologista, capaz de interpretar mamografias, é necessário mais de uma década de estudo.

A leitura de raios-X é um trabalho vital, mas demorado.

Estima-se que haja hoje uma escassez de mais de mil radiologistas em todo o Reino Unido.

A inteligência artificial vai substituir os médicos?

Não. Foram necessários seres humanos para desenvolver e treinar o modelo de inteligência artificial.

Além disso, é importante lembrar que trata-se de uma pesquisa inicial e, por enquanto, não há sistemas de inteligência artificial nos consultórios médicos.

E quando esse momento chegar, a ideia é que pelo menos um radiologista permaneça encarregado do diagnóstico.

Mas, de acordo com os pesquisadores, a inteligência artificial pode acabar sobretudo com a necessidade da dupla leitura de mamografias, aliviando o volume de trabalho dos médicos.

“(O resultado) foi muito além das minhas expectativas. Vai ter um impacto significativo na melhoria da qualidade dos diagnósticos, e também vai liberar os radiologistas para fazerem coisas ainda mais importantes”, afirmou à BBC Ara Darzi, coautor do estudo e diretor do Cancer Research UK Imperial Centre.

No Reino Unido, todas as mulheres com idades entre 50 e 70 anos são convidadas pelo sistema público de saúde a cada três anos a fazer mamografia — as que são mais velhas podem solicitar o exame.

Leia mais:  Como o Japão mantém o coronavírus sob controle

O uso da inteligência artificial também ​​poderá acelerar o diagnóstico, uma vez que as imagens podem ser analisadas em segundos pelo algoritmo do computador.

“Esta é uma pesquisa inicial promissora que sugere que no futuro poderá ser possível tornar os exames mais precisos e eficientes, o que significa menos espera e preocupação para os pacientes, e melhores resultados”, disse à BBC Sara Hiom, diretora de inteligência oncológica e diagnóstico precoce do Cancer Research UK.

Helen Edwards, de Surrey, na Inglaterra, foi diagnosticada com câncer de mama aos 44 anos, antes de ser elegível para a mamografia.

Ela precisou fazer cirurgia, quimioterapia e radioterapia, mas está livre da doença há mais de uma década.

Ela foi uma das representantes das pacientes na comissão do Cancer Research UK que precisou decidir se deveria conceder ao Google Health permissão para usar as informações anônimas do banco de dados sobre câncer de mama.

“Inicialmente, fiquei um pouco preocupada com o que o Google poderia fazer com os dados, mas não há nenhuma identificação”, afirmou Helen à BBC.

“No longo prazo, isso só pode beneficiar as mulheres.”

“As máquinas de inteligência artificial não ficam cansadas… elas podem trabalhar 24 horas por dia, 7 dias por semana, enquanto um ser humano não é capaz de fazer isso. Portanto, combinar as duas (inteligências) é uma ótima ideia.”

Por BBC

Comentários Facebook
publicidade

CIÊNCIA E SAÚDE

No maior cemitério do Brasil, coveiros experimentam o peso do coronavírus

Publicado

Enquanto Oswaldo dos Santos assistia vários homens em trajes de proteção cavarem uma cova às pressas para seu filho de 36 anos, seu luto se misturava com o medo: E se ele tinha o coronavírus? E se todos eles tinham?

Santos morava com seu filho até domingo, quando ele foi repentinamente hospitalizado com graves problemas respiratórios. Como muitos que agora preenchem as covas do maior cemitério do Brasil, o filho morreu sem antes receber os resultados do teste para o coronavírus.

“Eu acho que ele tinha a doença”, disse Santos à Reuters em meio aos mais de 1,5 milhão de túmulos no cemitério da Vila Formosa, em São Paulo, onde novas fileiras de covas estão sendo preenchidas com os corpos dos infectados –sabidamente ou não– pelo vírus.

O enterro levou 10 minutos, de acordo com as novas orientações para limitar aglomerações e o contágio.

Os coveiros de Vila Formosa agora trabalham em ritmo cansativo depois que a carga diária de trabalho dobrou para quase 60 enterros por dia. Trabalhadores estão convencidos de que o coronavírus está matando em silêncio muito mais do que as estatísticas oficiais mostram.

Leia mais:  Como será o PlayStation 5? Imagens vazadas revelam design

“Aquela fileira de covas era para durar três meses, mas só durou um”, disse um dos coveiros, apontando para uma seção coberta recentemente coberta. Cinco coveiros disseram à Reuters que o número de enterros inflou ao mesmo tempo em que aumentou o número de pessoas mortas antes de receberem os resultados de seus testes para o coronavírus. As causas não são imediatamente contadas nas estatísticas oficiais do Brasil, que na quinta-feira (2) registraram quase 300 mortos e 7.910 casos confirmados, de longe o maior número na América Latina.

“Os números dos jornais estão muito errados”, afirmou um coveiro. “O número real é duas vezes maior, talvez três.”

O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, reconheceu na quarta-feira (1º) que os casos de coronavírus são provavelmente subnotificados devido a atrasos nos testes.

O Serviço Funerário do município de São Paulo, responsável pelo cemitério da Vila Formosa, não respondeu a um pedido por comentários e não respondeu as perguntas sobre o número de enterros. Funcionários do cemitério pediram para não serem identificados por medo de represálias, mas mostraram atestados de óbitos que identificam alguns dos mortos como potenciais vítimas do coronavírus.

Leia mais:  Hospital confirma quinta morte por coronavírus em SP

Os corpos dos não diagnosticados com o vírus são tratados da mesma maneira que os com diagnósticos confirmados. Os corpos são embrulhados em plástico. Os coveiros utilizam equipamentos de proteção. Não há cerimônia formal.

A cremação é incomum no Brasil, um país dominado pelas tradições católicas. A cidade de São Paulo opera 22 cemitérios, mas apenas um crematório público.

Pequenos grupos se reuniam em torno do cemitério de Vila Formosa na quinta-feira, muitos deles se perguntando se seus entes queridos teriam morrido por conta do coronavírus e transmitido a doença a eles.

Em um determinado momento, seis enterros aconteciam ao mesmo tempo, todos ao longo de uma fileira mais curta de novas covas.

“Os grupos são um problema”, disse João Batista Gomes, um líder sindical no cemitério. “Por isso nosso sindicato está pedindo o cancelamento de todos os funerais.”

 

Por: CNN Brasil

Comentários Facebook
Continue lendo

Mais Lidas da Semana