conecte-se conosco


CIÊNCIA E SAÚDE

Cachorros são treinados para sentir o cheiro da Covid-19 em pessoas assintomáticas

Publicado em

CIÊNCIA E SAÚDE

Os cachorros são capazes de sentir cheiros que muitas vezes os seres-humanos não conseguem detectar. E essa habilidade canina pode ser uma aliada no combate ao coronavírus.

Um grupo de cientistas do Reino Unido está treinando cachorros para que eles possam reconhecer o cheiro da Covid-19. Há estudos que comprovam que as doenças têm cheiros. Dizem que a febre amarela, por exemplo, cheira a carne crua. A tuberculose, por sua vez, começa com cheiro de cerveja velha, mas depois se torna mais como uma espécie de salmoura.

“Poderíamos detectar uma colher de açúcar em uma xícara de chá, mas um cachorro poderia detectar uma colher de açúcar em duas piscinas olímpicas. É nesse nível”, afirma o professor James Logan, chefe do departamento de controle de doenças da Escola de Higiene de Londres e Medicina Tropical, em entrevista ao jornal britânico “The Guardian”.

Estima-se que os cachorros têm um olfato entre 10 mil e 100 mil vezes melhor que a do ser humano médio.

Os estudos começaram através de Asher, um cachorro da raça cocker spaniel. Asher chegou à organização Medical Detection Dogs (Cães de Detecção Médica, na tradução do inglês) após ter vários donos e não conseguir ficar com nenhum devido a sua hiperatividade.

Leia mais:  Coronavírus: Senado aprova texto que libera SUS para usar leitos de UTIs privadas durante pandemia

Co-fundadora da Medical Detection Dogs, a Dra. Claire Guest viu em Asher potencial para um bom “detector de cheiros” e, ao lado do professor James Logan, Guest começou a treinar o cocker spaniel para reconhecer pessoas que tinham contraído a malária.

Logan e Guest estavam planejando lançar o projeto da malária ainda no primeiro semestre de 2020, mas a Covid-19 chegou com força e os planos da dupla foram modificados. Com o novo vírus tomando grandes proporções mundiais, Asher mudou o seu foco e passou a treinar o cheiro do coronavírus.

Asher durante treinamento para detectar a presença da Covid-19 — Foto: Twitter Medical Detection Dogs

Asher durante treinamento para detectar a presença da Covid-19 — Foto: Twitter Medical Detection Dogs

O projeto da Covid-19 está atualmente na fase de coleta de amostras. O estudo é feito com meias de náilon que ficam com odores corporais, além de máscaras faciais, enviadas para cerca de 3.200 funcionários do Serviço de Saúde Nacional do Reino Unido que usarão as máscaras por um período e devolverão ao laboratório de James Logan para análise.

“Terminamos com um número muito alto de amostras de pessoas não infectadas e um grupo menor de amostras de pessoas infectadas”, diz Logan. E tudo bem. Porque, na verdade, precisamos de um alto número de amostragem. Precisamos de uma quantidade para os cães ignorarem.”

Leia mais:  Fernandópolis: ‘Vacina contra a Fome’ entrega alimentos para a Santa Casa

Neste momento, além de Asher, mais cinco cães de bio-detecção das raças cocker spaniel e labradore estão em treinamento sob supervisão de Claire Guest, na cidade de Milton Keynes. Os exercícios para aperfeiçoar a detecção do cheiro é semelhante aos feitos para que os animais identifiquem a presença de drogas e explosivos em aeroportos.

Norman é um dos seis cachorros em treinamento para detectar a Covid-19 — Foto: Twitter Medical Detection Dogs

Norman é um dos seis cachorros em treinamento para detectar a Covid-19 — Foto: Twitter Medical Detection Dogs

“Se você tem um avião com 500 pessoas saindo, 10% pode ser assintomático ou pré-sintomático”, diz Guest. “O cachorro pode dizer rapidamente: ‘Você, você, você’. É um cheiro de 0,5 segundo. O cachorro não tomará a decisão final. A pessoa fará um teste. Mas, no momento, não há outra maneira de rastrear rapidamente pessoas como essa, especialmente assintomáticas”.

Logan espera obter os resultados iniciais do projeto em agosto ou setembro.

Por: G1

Comentários Facebook
Propaganda

CIÊNCIA E SAÚDE

Capacitação para agentes de endemias em Carneirinho

Publicados

em

Na manhã de hoje (22), os Agentes de Endemias da Secretaria Municipal de Saúde de Carneirinho participaram de uma capacitação de como usar como usar veneno pra matar as larvas em reservatórios e recipientes.

De acordo com o Diretor de Vigilância Sanitária e Epidemiologia, Fábio Souza Ribeiro (Fabio Caixeta), antes o produto utilizado era em pó e agora é em comprimido.

Comentários Facebook
Leia mais:  Saúde mental: Fernandópolis recebe R$ 212 mil do governo federal
Continue lendo

ITURAMA E REGIÃO

POLICIAL

POLÍTICA

ECONOMIA

Mais Lidas da Semana