conecte-se conosco

CIÊNCIA E SAÚDE

Brasil tem 1 a cada 4 mortes por Covid nas Américas e OMS diz que ‘luta ideológica’ não derrota o vírus

Publicado

1 a cada 4 mortes e por Covid-19 nas Américas ocorre em solo brasileiro, anunciou nesta segunda-feira (29) o diretor de emergências da Organização Mundial de Saúde (OMS), Michael Ryan. Segundo o diretor, 1 a cada 4 casos detectados no continente americano também é no Brasil.

Metade dos casos e quase metade das mortes em todo o mundo está nas Américas, acrescentou Ryan. Os maiores números mundiais são de Estados Unidos e Brasil.

“Não há dúvida de que o Brasil ainda está enfrentando um grande desafio. Continua a reportar mais de 30 mil casos por dia”, lembrou o diretor de emergências.

Segundo o levantamento feito pelo consórcio de veículos de imprensa, do qual o G1 faz parte, o Brasil tinha, às 13h desta segunda, 1,3 milhão de casos e 57.774 mortes causadas pelo novo coronavírus. O total equivale a 11% das mortes mundiais.

“Há muitas situações desafiadoras no Brasil”, continuou Ryan. “Existem áreas muito congestionadas e densamente habitadas nos centros urbanos com serviços precários, há pessoas vivendo em condições rurais que são difíceis de alcançar e atender. Seria bobagem subestimar o tamanho e a complexidade de um país enorme como o Brasil”.

Michael Ryan, diretor-executivo do programa de emergências da Organização Mundial da Saúde (OMS) — Foto: Christopher Black/OMS

Michael Ryan, diretor-executivo do programa de emergências da Organização Mundial da Saúde (OMS) — Foto: Christopher Black/OMS

Leia mais:  Pesquisadores e empresas anunciam testes experimentais de vacinas contra a Covid-19

O diretor de emergências lembrou que o Brasil tem uma longa história de combate a doenças infecciosas e de fabricação de vacinas.

Ainda na resposta sobre o país, ele lembrou a necessidade de os países se unirem no combate ao vírus, e disse que a luta contra a pandemia não pode ser marcada por ideologias.

“Essa é a dificuldade no desafio da unidade nacional contra o inimigo comum. Quando você escolhe a unidade nacional contra o inimigo comum, às vezes não consegue escolher quem o lidera nessa luta”, afirmou Ryan.

26 de junho - Vista aérea do cemitério Parque Taruma, em meio ao surto de coronavírus (COVID-19), em Manaus — Foto: Bruno Kelly/Reuters

26 de junho – Vista aérea do cemitério Parque Taruma, em meio ao surto de coronavírus (COVID-19), em Manaus — Foto: Bruno Kelly/Reuters

“Em muitas situações, os indivíduos e a sociedade têm que oferecer incentivo e apoio a um governo que pode não ser da nossa escolha”, declarou.

“Eu diria apenas da minha perspectiva pessoal que não podemos continuar permitindo que a luta contra esse vírus se torne e seja sustentada como uma luta ideológica”, continuou Ryan. “Não pode ser, não podemos derrotar esse vírus com ideologias. Simplesmente não podemos”.

Leia mais:  Sul e Sudeste voltam a ter mortes de macacos com febre amarela, diz ministério

“E acho que todo mundo agora precisa dar um passo atrás. Todo mundo precisa olhar para o espelho e dizer: estou fazendo o suficiente. Todo político precisa se olhar no espelho e dizer: estou fazendo o suficiente para parar esse vírus. Acho que precisamos ter uma grande conversa sobre isso. E agora é a hora, porque não temos tempo a perder”, concluiu.

Medidas preventivas

O diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, em coletiva nesta sexta-feira (21). — Foto: Reprodução/Twitter WHO

O diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, em coletiva nesta sexta-feira (21). — Foto: Reprodução/Twitter WHO

O diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, o diretor de emergências e a líder técnica da entidade, Maria van Kerkhove, reforçaram a necessidade das medidas de prevenção ao novo coronavírus, incluindo a higiene das mãos, o distanciamento social e o rastreio de contatos.

Tedros mencionou a Coreia do Sul como exemplo de sucesso nesta última estratégia: em fevereiro, afirmou o diretor-geral, o país asiático tinha o maior número de casos do mundo depois da China, mas, graças a medidas eficazes de rastreio e testagem, conseguiu conter a disseminação do vírus.

Hoje, há 12,7 mil casos de Covid-19 entre os sul-coreanos e 282 mortes, segundo monitoramento da universidade americana Johns Hopkins.

Por: G1

Comentários Facebook
publicidade

CIÊNCIA E SAÚDE

Vacina contra a tuberculose pode estar relacionada à redução de mortalidade por Covid-19, diz estudo

Publicado

Cientistas dos Estados Unidos apontaram para uma possível relação entre a vacina BCG, para a tuberculose, e a redução da mortalidade em pacientes com Covid-19. Um estudo publicado na quinta-feira (9) pela revista “PNAS” sugeriu essa relação mas reconheceu que ainda é cedo para afirmar que a vacina protege contra o coronavírus.

O artigo analisou dados de países que têm políticas de vacinação mais abrangentes, como o Brasil, por exemplo e comparou com os números de lugares com menor cobertura vacinal, como os EUA.

“Descobrimos que a mortalidade da Covid-19 nos estados de Nova York, Illinois, Louisiana, Alabama e Flórida (não-vacinados) era significativamente maior que em estados de países que aplicam a BCG (Pernambuco, Rio de Janeiro e São Paulo, no Brasil; e Cidade do México, no México)”, escreveram os pesquisadores.

Eles disseram que há uma “associação consistente” entre a vacinação e a redução no número de casos graves da doença, mas que isso não é suficiente para estabelecer uma causalidade entre a aplicação da BCG e a proteção contra casos graves de Covid-19.

Leia mais:  A visita que virou tragédia em família por causa do coronavírus: 'perdi meu marido e meu pai em dois dias'

Ensaios clínicos

Os pesquisadores citaram o desenvolvimento de dois ensaios clínicos randomizados que podem atualizar o que se sabe sobre essa relação apontada. Em andamento na Holanda e na Austrália, profissionais de saúde foram injetados parte com BCG e outra com um placebo.

Apenas depois de um estudo mais seguro é que poderão afirmar que há uma relação entre a vacinação e a imunidade para o coronavírus.

Os pesquisadores ressaltaram também que há pouca informação sobre a vacinação tardia com a BCG, que não é indicada para o uso em idosos por se tratar de uma vacina feita a partir de vírus atenuado e não deve ser administrada em pacientes com baixa imunidade.

Ainda uma hipótese

Se a hipótese de proteção do BCG for verdadeira, dizem os cientistas norte-americanos, isso teria grandes implicações para as regiões com programas de vacinação universal em andamento, incluindo a maioria dos países em desenvolvimento, que sofreriam menos com a pandemia da Covid que a Europa e os EUA.

De acordo com o estudo, em muitos países da América Latina, a vacinação universal foi introduzida na década de 1960, o que pode significar que pessoas com mais de 55 anos não receberam a vacina representariam um segmento vulnerável da população durante a pandemia.

Leia mais:  Vacina contra o novo coronavírus é meta de pesquisa executada por cientistas da USP e do Incor

Os pesquisadores afirmaram também que as diferenças nas coberturas vacinais podem também significar mudanças nas medidas de reabertura econômica.

“A maioria dos países asiáticos possui programas ativos de vacinação universal com BCG”, explicaram os pesquisadores.

“Se o BCG estiver conferindo algum nível básico de proteção, é possível que algumas das estratégias de relaxamento das medidas de distanciamento social adotadas pelos países asiáticos possam não ser eficazes na América do Norte e nos países da Europa Ocidental.”

Por: G1

Comentários Facebook
Continue lendo

Mais Lidas da Semana