conecte-se conosco

POLÍTICA

Bolsonaro exclui palavra ‘gênero’ de projeto que combate violência contra mulher

Publicado

source
Casa da Mulher Brasileira arrow-options
Fabio Rodrigues Pozzebom / Agência Brasil

Unidade de Brasília do projeto Casa da Mulher Brasileira.

Em um decreto publicado nesta terça-feira (12), o presidente Jair Bolsonaro excluiu todas as menções à palavra gênero do  texto do projeto Casa da Mulher Brasileira – centros de atendimento para vítimas de violência doméstica. Ele também retirou a obrigatoriedade do governo Federal auxiliar na manutenção das unidades de atendimento.

Leia também: Taxa de homicídio de negros é quase 3 vezes maior do que de brancos no Brasil

O projeto foi criado em 2013, pela ex-presidente Dilma Rousseff. Após o decreto de Bolsonaro, termos como  ” violência de gênero ” e “transversalidade de gênero”, que estavam no texto original, foram alterados por “violência fora dos espaços urbanos” e “transversalidade dos direitos das mulheres” – respectivamente.

A mudança ocorre um dia depois da inauguração da sexta unidade da Casa da Mulher Brasileira , que aconteceu em São Paulo, nesta segunda (11). A unidade começou a ser construída em 2015, mas estava parada desde 2017 por falta de verbas. Agora, lançada com três anos de atraso, a unidade se junta às outras cinco que existem no país, em Brasília (DF), Boa Vista (RR), Curitiba (PR), Fortaleza (CE), São Luiz (MA) e Campo Grande (MS).

Leia mais:  Senado aprova programa Médicos pelo Brasil, novo Mais Médicos

Leia também: Apoiadores de Guaidó invadem embaixada da Venezuela em Brasília

O decreto de Bolsonaro também retira a obrigatoriedade do governo federal, por meio do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, auxiliar técnica e financeiramente na manutenção das unidades. No primeiro semestre deste ano, a responsável pelo ministério,  Damares Alves, afirmou não ter recursos para investir no projeto.

Comentários Facebook
publicidade

POLÍTICA

Feliciano chama Bebianno de político Big Brother, que rebate: “Explorador de fé”

Publicado

por

source
Marco Feliciano (sem partido) e Gustavo Bebianno (PSDB) arrow-options
Montagem

Marco Feliciano (sem partido) e Gustavo Bebianno (PSDB)

O pastor e deputado federal, Marco Feliciano (sem partido), chamou o ex-Secretário-Geral Gustavo Bebianno (PSDB) de “político Big Brother”, na noite deste domingo (26).

Leia também: Passageiro “desaparece” em corrida e mensagem desesperada de motorista viraliza

O comentário de Feliciano, que é defensor de Bolsonaro, ocorreu após o tucano ter criticado o presidente pela forma que tratou o ministro Sérgio Moro nos últimos dias — com a possibilidade de separar o Ministério da Justiça e Segurança Pública. 

Bebianno rebateu ao comentário, afirmando que o pastor “é daqueles que exploram a fé alheia e misturam religião com política, apenas para se locupletar (enriquecer)”, disse ao colunista Chico Alves do UOL , nesta segunda-feira (27).

Bebianno foi demitido do governo Bolsonaro logo no início do ano passado, em fevereiro de 2019, participando da gestão por menos de dois meses. Após sair de seu cargo, ele passou a ter um posicionamento crítico ao presidente, desagradando à base bolsonarista, da qual Feliciano faz parte. 

Leia mais:  PSDB deseja "sorte" a Regina Duarte e provoca o PT

“Ele é político BigBrother. Começou achando que era o dono do pedaço, surtou com a fama, fez intriga com meio mundo, foi descoberto e mandado para fora da casa. Depois de um tempo, ninguém mais sabe quem é! Oh, vida cruel!”, publicou Marco Feliciano em sua conta de Twitter.

Leia também: Adolescente morre e outros quatro são internados após beberem “loló”

“Pastor Feliciano é aquele petista de carteirinha que vivia adulando a presidente Dilma, e que agora bajula os Bolsonaro? Aquele que buscou a aprovação do projeto da ‘cura gay’?”, afirmou Bebianno. “Vive envolvido em escândalos grotescos, tal como o tratamento odontológico de R$ 157 mil com dinheiro público e aquela história enrolada com a Patrícia Lelis”.

Leia mais:  Senado aprova programa Médicos pelo Brasil, novo Mais Médicos

Comentários Facebook
Continue lendo

Mais Lidas da Semana