conecte-se conosco


POLÍTICA

“Bolsonaro brinca de ser presidente”, diz Doria após deboche da CoronaVac

Publicado

source
João Doria (PSDB)%2C governador do estado de São Paulo
Governo do Estado de São Paulo/Divulgação

João Doria (PSDB), governador do estado de São Paulo

O governador do estado de São Paulo , João Doria (PSDB), reagiu ao deboche do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) desta quarta-feira (13) em relação à eficácia da CoronaVac , imunizante desenvolvido pelo Instituto Butantan em parceria com a biofarmacêutica Sinovac Biotech, e disse que ele “brinca de ser presidente”.

“Lamentável a declaração do presidente Bolsonaro sobre a vacina do Butantan. Ao invés de comemorar o fato do Brasil ter um imunizante seguro e eficaz para combater a pandemia, ele ironiza a vacina. Enquanto brasileiros perdem vidas e empregos, Bolsonaro brinca de ser Presidente”, escreveu o tucano em uma publicação no Twitter

Leia mais:  Ex-presidente do TRF-4 pediu interferência de ministro para manter Lula preso

Em conversa com apoiadores em frente ao Palácio do Planalto sobre a importância das vacinas, Bolsonaro riu ao perguntar a um dos presentes se “essa de 50% é uma boa?”. Na sequência, o presidente disse que as pessoas estão “vendo a verdade”.

“O que eu apanhei por causa disso… Agora estão vendo a verdade. Estou há quatro meses apanhando por causa da vacina. Entre eu e a vacina, tem a Anvisa. Não sou irresponsável. Não estou a fim de agradar quem quer que seja”, afirmou Bolsonaro.

A corrida pelas vacinas contra a Covid-19 tem sido um dos principais pontos de confrontos entre Doria e Bolsonaro, que são adversários para as eleições de 2022. A Coronavac deu mais visibilidade ao governador de São Paulo e Bolsonaro é acusado de atuar, por meio da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), para que Doria não se beneficie politicamente da aprovação do imunizante.

Leia mais:  Decreto editado por Bolsonaro permite atividades religiosas durante pandemia

Comentários Facebook
publicidade

POLÍTICA

Auxiliares de Bolsonaro culpam Ernesto Araújo por clima ruim com China e Índia

Publicado

por

source
Ernesto Araújo, ministro das Relações Exteriores
Marcelo Carmargo/Agência Brasil

Ernesto Araújo, ministro das Relações Exteriores

O atraso na operação de envio de um avião para recolher vacinas na Índia  e a demora na liberação da exportação por parte da China dos insumos para a produção de vacinas no Brasil fez aliados do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) responsabilizarem o chanceler Ernesto Araújo por essas duas derrotas para o governo. A informação é do jornal Folha de S.Paulo .

Segundo essas pessoas próximas ao presidente, a área de relações exteriores, que é comandada por Ernesto, contribuiu para a derrota política de peso sofrida pelo Palácio do Planalto no fim de semana. O revés foi tão grande que permitiu que o governador de São Paulo João Doria, ficasse com todo o protagonismo do início da vacinação no Brasil.

O governo vinha tentando antecipar desde dezembro um lote de 2 milhões de doses da vacina de Oxford com a AstraZeneca produzidas no laboratório indiano Serum. O objetivo era que as doses fossem usadas para dar o pontapé na campanha imunização no Brasil. Uma cerimônia no Planalto estava sendo preparada para a ocasião.

Leia mais:  'Está tudo legal com o Fabio, vai continuar', diz Bolsonaro sobre secretário

Você viu?

Ao longo de semanas, Araújo coordenou esforços para conseguir a liberação da carga a tempo de garantir o cronograma desejado pelo Planalto, mas não houve êxito e, até o momento, não há prazo para que isso ocorra.

A principal crítica contra o chanceler é que ele deveria ter sido claro sobre as dificuldades políticas para que a Índia desse luz verde para a venda, uma vez que Nova Déli não quis possibilitar a venda antes de iniciar a sua própria campanha de vacinação.

O ministro do Itamaraty também virou vidraça de membros do governo que querem por uma menor carga ideológica na condução da política externa brasileira. Eles se queixam que os constantes embates com a China criaram dificuldades de interlocução num momento em que o país depende da boa vontade de Pequim.

Leia mais:  Bolsonaro pede a auxiliares sugestão de substitutos para Weintraub, diz site

Comentários Facebook
Continue lendo

Mais Lidas da Semana