conecte-se conosco


POLÍTICA

Bolsonaro admite recriar ministérios se “tiver clima” e aliados no Congresso

Publicado

source
Presidente condicou ressurgimento das pastas aos pleitos na Câmara e no Senado
Agência Brasil

Presidente condicou ressurgimento das pastas aos pleitos na Câmara e no Senado

O presidente  Jair Bolsonaro afirmou nesta sexta-feira (29) que considerar recriar três ministérios, que atualmente são secretarias: Cultura, Esportes e Pesca. Bolsonaro disse que esse tema pode ser tratado caso seus aliados sejam eleitos na disputa da presidência da Câmara e do Senado e já se antecipou a possíveis críticas, dizendo que a demanda é justa porque o Brasil é um país muito grande.

A declaração ocorreu durante cerimônia no Palácio do Planalto de planejamento dos Jogos Escolares Brasileiros (JEBs). O evento foi fechado para a imprensa, mas foi transmitido ao vivo por alguns dos presentes.

No início do seu discurso, Bolsonaro elogiou três secretários presentes: Marcelo Magalhães (Esportes),  Mário Frias (Cultura) e Jorge Seif (Pesca). O presidente disse que, se tivesse tomado posse hoje e conhecesse melhor os três subordinados, manteria essas áreas com status de ministérios.

“Eu queria que hoje eu tivesse sido eleito presidente . Porque algumas coisas a mais eu faria, outras eu não faria. Por exemplo, eu tenho três secretários , Marcelo, que se eu soubesse do potencial de vocês, se eu tivesse mais conhecimento, com profundidade, seriam ministérios “, disse, citando em seguida os três secretários nominalmente.

Mais tarde, no mesmo discurso, voltou ao tema e disse que os ministérios podem ser recriados caso os candidatos que ele tem “simpatia” sejam eleitos na Câmara e no Senado: Arthur Lira (PP-AL) e Rodrigo Pacheco (DEM-MG) , respectivamente.

Você viu?

“Se tiver um clima no Parlamento , pelo o que tudo indica as duas pessoas que, né (deputado) Luis Lima, que nós temos simpatia devem se eleger, não vamos ter mais uma pauta travada, a gente pode levar muita coisa avante quem sabe até ressurgir os ministérios, esses ministérios”, afirmou.

Em seguida, rebateu eventuais críticas falando no “tamanho do Brasil”: “daqui a pouco vão falar: “quer criar ministério de novo”. (Olha) O tamanho do Brasil , só a Amazônia é maior que toda a Europa ocidental”.

Leia mais:  Crivella obtém liminar que garante o registro da sua candidatura no Rio

Comentários Facebook
publicidade

POLÍTICA

Câmara dos Deputados vota esta semana a PEC Emergencial

Publicado

por

source
Câmara dos Deputados
Marcelo Camargo/ Agência Brasil

Câmara dos Deputados

A Câmara dos Deputados marcou para esta semana a votação da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 186/2019, a PEC Emergencial . O presidente da Casa, Arthur Lira, anunciou que pautará a PEC para apreciação diretamente no plenário, sem passar por comissões.

A expectativa é aprovar a admissibilidade do texto na terça-feira (9) e, no dia seguinte, a votação em plenário em dois turnos. Na avaliação de Lira, é importante aprovar logo a PEC para possibilitar o pagamento de novas parcelas do auxílio emergencial à população ainda em março. O relator da proposta na Câmara é o deputado Daniel Freitas (PSL-SC).

O texto cria mecanismos de ajuste fiscal, caso as operações de crédito da União excedam as despesas. Entre as medidas, estão barreiras para que a União, os estados e os municípios criem despesas obrigatórias ou benefícios tributários. A PEC também possibilita o pagamento do auxílio emergencial com créditos extraordinários sem ferir o teto de gastos públicos .

No Senado, o texto sofreu mudanças importantes. O relatório do senador Márcio Bittar (MDB-AC) teve que ceder à resistência de vários colegas e foi retirado o trecho mais polêmico do seu parecer, o fim da vinculação obrigatória de parte do orçamento a investimentos com saúde e educação. Bittar também retirou a redução de salário e jornada de trabalho dos servidores públicos, como expediente de ajuste fiscal e equilíbrio das contas públicas.

Bittar adicionou uma “trava” a mais para evitar um gasto excessivo com o auxílio emergencial. O relator limitou a R$ 44 bilhões o valor disponível para pagamento do auxílio emergencial. O governo estima retornar com o auxílio emergencial em forma de quatro parcelas de R$ 250 ainda este mês.

Comentários Facebook
Continue lendo

Mais Lidas da Semana