conecte-se conosco


POLÍTICA

Bolsonaro a Hajjar: “Lockdown no NE vai me f…. e perco a eleição”, diz jornal

Publicado em

POLÍTICA

source
A declaração teria sido dada à cardiologista Ludhmila Hajjar, cotada para assumir o Mistério da Saúde
Montagem iG / Marcos Correa e reprodução CNN Brasil

A declaração teria sido dada à cardiologista Ludhmila Hajjar, cotada para assumir o Mistério da Saúde

Ludhmila Hajjar , cardiologista do Instituto do Coração do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, foi uma das cotadas para assumir o lugar de Eduardo Pazuello no Ministério da Saúde, mas recusou o cargo. De acordo com as informações apuradas pelo jornal Poder 360 , a médica passou cerca de três horas mais ouvindo do que falando, em reunião com o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) neste domingo (14).

Leia mais:  Major Olímpio pede prisão preventiva de Lula por "incitar violência"

Segundo a publicação, os presentes no encontro se esforçaram para dizer que nada havia sido feito de errado até agora pelo governo federal no combate à Covid-19. Hajjar foi sabatinada pelo presidente e seu filho, Eduardo Bolsonaro (PSL), que perguntou o que ela achava sobre dois temas: aborto e armas. Ainda de acordo com o portal, ela respondeu que considerava o tema das armas relacionado a polícias e às Forças Armadas, e que não nutria simpatia por armar a população. Não foi possível apurar sua resposta a respeito de aborto.

Depois, o presidente quis saber a opinião da médica sobre a cloroquina, que afirmou que não iria desdizer o presidente eventualmente no Ministério da Saúde, mas que essa fase já havia passado. Bolsonaro, no entanto, teria insistido, dizendo que ninguém sabe ainda o que funciona ou não para tratar a Covid-19 e que os médicos têm o direito de prescrever o que quiserem.

O presidente também questionou Hajjar sobre as medidas de restrição de circulação para frear o avanço da doença, dizendo ser contra o fechamento de comércio e adoção de toque de recolher. E, em determinado momento, segundo o Poder 360 , Bolsonaro dirigiu-se à médica e perguntou: “Você não vai fazer lockdown no Nordeste para me f*der e eu depois perder a eleição, né?”.

Leia mais:  AGU tenta reverter decisões que permitiram compra de vacina sem doação ao SUS

Hajjar, então, afirmou que as medidas mais restritivas deveriam ser tomadas em situações extremas, em locais em que o número de doentes e de mortes exigisse isso. Em seguida, Pazuello entrou na conversa e disse que os governadores estavam mentindo sobre a taxa de ocupação das UTIs e outras estatísticas e tinha outros números. A médica teria expressado descrença sobre isso, segundo o portal.

O ministro também fez uma longa exposição sobre como tem conduzido a pasta e defendeu sua gestão. Pazuello disse que estava possivelmente saindo do cargo porque não se aliou a ninguém, a nenhum grupo, diferentemente de Ludhmila, que vinha recomendada inclusive por políticos com vários interesses.

Com o nome de Ludhmila Hajjar riscado da lista de opções para assumir o cargo, Bolsonaro continua em busca de uma pessoa para comandar o ministério. Uma dessas opções é Marcelo Queiroga, presidente da Sociedade Brasileira de Cardiologia e a outra é o deputado Dr. Luizinho (PP-RJ).

Comentários Facebook
Propaganda

POLÍTICA

“Vou tomar por último, tem muita gente apavorada”, diz Bolsonaro sobre vacina

Publicados

em

Por

source
Presidente Jair Bolsonaro
Foto: Agência Brasil

Presidente Jair Bolsonaro

Na sexta-feira (16), o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) afirmou que não pretende tomar a vacina da Covid-19 agora. Em conversa com apoiadores que o esperavam em frente ao Palácio da Alvorada, o presidente justificou que a decisão é pelo fato de ter “muita gente apavorada” esperando pela vacina.

“O que acontece, tem muita gente apavorada aí aguardando a vacina, então deixa as pessoas tomarem na minha frente. Vou tomar por último. Eu acho que essa é uma atitude louvável. Porque tem gente que não sai de casa, está apavorado dentro de casa”, disse Bolsonaro. O presidente chegou a se queixar que a imprensa teria criticado a sua decisão de se vacinar por último. “Em vez da imprensa me elogiar, me critica”, afirmou.

Bolsonaro está apto a receber a vacina no Distrito Federal desde o dia 3 de abril. Antes, ele explicava que não ia se vacinar porque já teria contraído o vírus em julho do ano passado.

De acordo com dados do consórcio de veículos de imprensa da quinta-feira (15), 25.460.098 pessoas já receberam a primeira dose de vacina contra a Covid-19. O número representa 12,02% da população brasileira. A segunda dose já foi aplicada em 8.558.567 pessoas (4,04% da população do país) em todos os estados e no Distrito Federal.

Comentários Facebook
Continue lendo

ITURAMA E REGIÃO

POLICIAL

POLÍTICA

ECONOMIA

Mais Lidas da Semana