conecte-se conosco


Economia

BB formaliza parceria com suíço UBS para banco de investimentos

Publicado

Depois de um ano de tratativas, o Banco do Brasil (BB) e o banco suíço UBS formalizaram hoje (30) a parceria para iniciarem um banco de investimentos e uma corretora de valores que operará no Brasil e em mais cinco países latino-americanos: Argentina, Chile, Paraguai, Peru e Uruguai. A operação consta de fato relevante comunicado à Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

Pela parceria, o UBS e o BB criarão uma joint venture (quando duas empresas se unem para criarem uma terceira), com 50,01% do capital nas mãos do banco suíço e 49,99% pertencentes ao BB Banco de Investimento S.A. (BB-BI).

Os bancos de investimentos administram grandes fortunas, com o investidor pagando gestores que aplicam no mercado financeiro. Segundo o fato relevante, a parceria combina a experiência do UBS, um dos maiores bancos de investimentos do mundo, e a rede bancária do BB, com agências espalhadas pelo Brasil e em diversos países latino-americanos.

“A parceria estratégica consolida-se em uma nova companhia e suas controladas, iniciando suas operações como uma plataforma de banco de investimentos completa, combinando a rede de relacionamentos do BB no Brasil e sua forte capacidade de distribuição para pessoas físicas, com a expertise e capacidade de distribuição global do UBS”, destacou o BB no fato relevante.

Leia mais:  Compras com cartões crescem 14,1% no primeiro trimestre, diz Abecs

O acordo prevê que cada acionista nomeie três membros para o Conselho de Administração da joint venture. O presidente será indicado pelo BB; e o vice, pelo UBS. A diretoria executiva terá representantes das duas instituições, com o banco suíço escolhendo o diretor-presidente.

O memorando de entendimentos entre os dois bancos foi assinado em setembro do ano passado. A parceria tinha sido aprovada pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), em dezembro do ano passado, e pelo Banco Central, no fim de agosto deste ano.

Edição: Fábio Massalli

Comentários Facebook
publicidade

Economia

Dólar se afasta de mínimas com foco em negociações nos EUA

Publicado

por

O dólar fechou em leve queda ante o real nesta quinta-feira, mas ficou longe das mínimas da sessão, refletindo persistentes incertezas sobre mais ajuda fiscal nos EUA antes da eleição norte-americana.

A divisa chegou a cair quase 1% no começo da tarde, antes de recobrar fôlego em meio à instabilidade nos mercados externos e a um pregão de dólar em alta contra outros rivais.

A cotação negociada no mercado à vista caiu 0,38%, a R$ 5,594 na venda  – após oscilar entre alta de 0,19% (para R$ 5,627) e queda de 0,95% (a R$ 5,563).

No exterior, moedas emergentes pares do real tinham desempenho misto, enquanto o índice do dólar frente a uma cesta de seis rivais de países ricos subia 0,25%, deixando as mínimas em sete semanas atingidas na véspera.

Apesar de a presidente da Câmara dos Deputados dos EUA, Nancy Pelosi, continuar a dizer que as tratativas estavam fazendo progresso, comentários do presidente Donald Trump feitos na quarta-feira colocaram em dúvidas o desenrolar das negociações.

No Twitter, Trump acusou democratas de não estarem dispostos a encontrar um acordo aceitável, em meio à profunda oposição entre os parlamentares do próprio partido do presidente do Senado a um novo pacote de estímulo.

O entrevero reforça avaliações do mercado de que uma vitória democrata na eleição de 3 de novembro tende a ser mais positiva para ativos de risco.

Leia mais:  Compras com cartões crescem 14,1% no primeiro trimestre, diz Abecs

“As moedas emergentes já estão tendo um rali em antecipação, portanto, a direção da viagem é clara”, comentou no Twitter Robin Brooks, economista-chefe do Instituto de Finanças Internacionais (IIF, na sigla em inglês).

“Mais fundamentalmente, menos incerteza política e menos ênfase na desglobalização são (fatores) positivos para a demanda global e os preços das commodities. Isso é bom para os mercados emergentes”, completou.

Um índice de moedas emergentes acumula alta de 1,9% em outubro, a caminho do melhor desempenho mensal desde dezembro de 2019.

O real também se valoriza, mas apenas 0,43%, ficando bem aquém de vários de seus pares. E analistas avaliam que, embora o exterior possa oferecer algum “colchão”, os temas domésticos, sobretudo do lado fiscal, vão continuar pesando sobre a divisa no curto prazo.

“O valuation (preço relativo) está atrativo, o que poderia dar algum suporte ao real num cenário (doméstico) negativo, mas tampouco vejo a moeda como o melhor ativo num cenário positivo, diante do juro baixo e do overhedge [cobertura adicional ao valor do próprio investimento], para citar alguns motivos”, disse Bernardo Zerbini, um dos responsáveis pela estratégia da gestão macro da gestora AZ Quest.

O juro baixo reduz a atratividade da renda fixa brasileira aos olhos dos investidores estrangeiros, o que prejudica o cenário para fluxo cambial –afetando, assim, a perspectiva para ingresso de dólares no mercado doméstico.

Leia mais:  São Paulo assina maior contrato de concessão de rodovias do país

Já o desmonte do overhedge – proteção cambial adicional adotada por bancos e cuja eficiência foi colocada em xeque diante de mudanças, anunciadas neste ano, em regras tributárias -pode implicar compra de mais cerca de US$ 15 bilhões até o fim do ano, segundo cálculos de algumas instituições financeiras, num período já tradicionalmente marcado por pressão cambial devido a saídas de recursos.

Enquanto isso, seguem os receios sobre as contas públicas. Autoridades do governo, entre elas o presidente Jair Bolsonaro e o ministro da Economia, Paulo Guedes, reforçaram nos últimos dias a defesa das regras fiscais, mas o mercado continua preocupado com riscos de alguma flexibilização, principalmente, no dispositivo do teto de gastos, que limita o aumento de gastos à inflação.

“Nosso cenário-base contempla cumprimento do teto, mas também com algum risco de um ‘drible minimamente controlado’, se é que é possível dizer isso”, disse Helena Veronese, economista-chefe na Azimut Brasil Wealth Management, para quem um “rompimento” sem constrangimento do limite de despesa imposto pelo mecanismo poderia levar o dólar para perto de R$ 6.

Comentários Facebook
Continue lendo

Mais Lidas da Semana