conecte-se conosco


Policial

Ato de torcedores a favor da democracia tem confronto com grupo pró-Bolsonaro e PM na Avenida Paulista

Publicado em

Policial

Um protesto pró-democracia organizado por torcidas de clubes de futebol e que começou de forma pacífica teve confronto entre manifestantes e apoiadores do presidente Jair Bolsonaro e entre manifestantes e policiais militares na Avenida Paulista, região central de São Paulo, neste domingo (31).

Pelo menos cinco manifestantes foram detidos pela Polícia Militar (PM) e levados ao 78º Distrito Policial dos Jardins. Segundo a PM, alguns estavam com produtos químicos e armas brancas. Até por volta de 16h, não havia informações sobre feridos.

A polícia usou bombas de gás lacrimogêneo para dispersar os manifestantes, que revidaram com pedras e paus. Houve correria. Os confrontos começaram por volta de 13h e ocorreram de forma mais intensa até, pelo menos, pouco antes das 15h.

Ás 15h20, parte dos manifestantes fazia uma espécie de barricada ateando fogo em objetos no meio da Avenida Paulista, próximo à Rua da Consolação. Também foi colocada uma caçamba na rua. Policiais militares também permaneciam na rua, caminhando com escudos em direção ao grupo.

Bombas de gás são lançadas na direção de manifestantes na Avenida Paulista
Bombas de gás são lançadas na direção de manifestantes na Avenida Paulista

Duas confusões

A primeira confusão começou por volta de 13h, quando torcedores de pelo menos três clubes de futebol – Corinthians, Palmeiras e São Paulo – se manifestavam contra o fascismo e em defesa da democracia.

Leia mais:  Hacker preso por megavazamento de dados tem 24 anos e vive em Uberlândia; ele também é suspeito de invadir o Senado, o Exército e o TSE

Inicialmente, o embate foi com um grupo de defensores do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) que também realizam ato no local a favor da reabertura do comércio durante a pandemia.

A Polícia Militar (PM) usou, então, bombas de efeito moral para dispersar a confusão entre torcedores e bolsonaristas. Foi feito um cordão de isolamento entre os dois grupos, que estavam entre os prédios do Museu de Arte de São Paulo (Masp) e da Federação da Indústrias de São Paulo (Fiesp).

Manifestante pró-democracia (à esquerda) discute com manifestante bolsonarista na Avenida Paulista — Foto: Reprodução/Redes sociais

Manifestante pró-democracia (à esquerda) discute com manifestante bolsonarista na Avenida Paulista — Foto: Reprodução/Redes sociais

Até a última atualização desta reportagem, não estava claro quem começou as provocações. Vídeos postados em redes sociais mostram pessoas dos dois grupos trocando agressões verbais. Uma mulher que segurava um bastão chegou a ser barrada pela polícia enquanto provocava os manifestantes pró-democracia. Um homem também foi filmado xingando e avançando para cima de um torcedor.

Segundo o coronel Álvaro Camilo, secretário executivo da PM de SP, por volta de 15h, não era possível afirmar ainda quem iniciou a confusão. “As imagens, os atos, analisando claramente vamos saber quem começou”, disse. “A Polícia vai agir agora para manter a ordem. Não interessa o grupo, não interessa o lado.”

Leia mais:  Corpo de jovem com marcas de tiro é encontrado em Votuporanga
Manifestante a favor do presidente Jair Bolsonaro aponta bastão para torcedor de ato a favor da democracia e é conduzida por PM na Avenida Paulista, em São Paulo — Foto: Reprodução/Twitter

Manifestante a favor do presidente Jair Bolsonaro aponta bastão para torcedor de ato a favor da democracia e é conduzida por PM na Avenida Paulista, em São Paulo — Foto: Reprodução/Twitter

Confronto com policiais

PM usa bombas de gás em confronto com manifestantes na Avenida Paulista, em São Paulo — Foto: Reprodução/TV Globo

PM usa bombas de gás em confronto com manifestantes na Avenida Paulista, em São Paulo — Foto: Reprodução/TV Globo

Por volta das 14h, ocorreu novo confronto, dessa vez entre policiais militares e os torcedores pró-democracia. Os PMs voltaram a atirar bombas de efeito moral e os torcedores arremessaram pedaços de pau e pedras nos policiais. A PM passou a usar gás lacrimogêneo e a atirar balas de borracha para afastar os manifestantes ligados às torcidas.

“A polícia estava ali entre os dois grupos antagônicos para manter a segurança de todos. Num determinado momento começaram a atirar pedras contra a Polícia militar, que usou bombas de efeito moral”, disse o coronel Álvaro Camilo em entrevista à GloboNews.

Torcedores fazem ato pela democracia em São Paulo

Torcedores fazem ato pela democracia em São Paulo

Torcidas organizadas caminham pela Avenida Paulista com faixa "somos pela democracia" — Foto: ROBERTO CASIMIRO/FOTOARENA/ESTADÃO CONTEÚDO

Torcidas organizadas caminham pela Avenida Paulista com faixa “somos pela democracia” — Foto: ROBERTO CASIMIRO/FOTOARENA/ESTADÃO CONTEÚDO

Corintianos participam de ato antifascista na Avenida Paulista  — Foto: ROBERTO CASIMIRO/FOTOARENA/FOTOARENA/ESTADÃO CONTEÚDO

Corintianos participam de ato antifascista na Avenida Paulista — Foto: ROBERTO CASIMIRO/FOTOARENA/FOTOARENA/ESTADÃO CONTEÚDO

Grupo bolsonarista em ato na Avenida Paulista neste domingo (31) — Foto: Reprodução/TV Globo

Grupo bolsonarista em ato na Avenida Paulista neste domingo (31) — Foto: Reprodução/TV Globo

Por: G1

Comentários Facebook
Propaganda

Policial

Mulher é suspeita de esfaquear companheiro em BH; homem tinha passagens por lesão corporal contra ela

Publicados

em

Segundo o boletim de ocorrência, a agressão ocorreu após um desentendimento entre o casal. As filhas da mulher, de 3 e 19 anos, presenciaram a briga.

Uma mulher, de 33 anos, é suspeita de esfaquear o companheiro, de 41 anos, dentro de casa, no bairro Lindeia, na Região do Barreiro, em Belo Horizonte, na noite desta segunda-feira (25).

Segundo o boletim de ocorrência, a agressão ocorreu após um desentendimento entre o casal. As filhas da mulher, de 3 e 19 anos, presenciaram a briga.

A suspeita fugiu após o crime e não tinha sido localizada até a publicação desta reportagem. O homem foi levado para o Hospital de Pronto-Socorro João XXIII com ferimentos no abdômen.

De acordo com a PM, ele tem três passagens policiais por lesão corporal contra a mulher. Ela tem 12 passagens por outros crimes.

Comentários Facebook
Leia mais:  Em um ano, percentual de presos provisórios cai no Brasil e superlotação diminui
Continue lendo

ITURAMA E REGIÃO

POLICIAL

POLÍTICA

ECONOMIA

Mais Lidas da Semana