conecte-se conosco


Tecnologia

App que muda idade e gênero volta à popularidade e usuários questionam privacidade e segurança

Publicado em

Tecnologia

O Faceapp, aplicativo que ficou famoso em 2019 por mudar feições e envelhecer rostos, voltou a ser um dos assuntos mais comentados deste fim de semana, com usuários compartilhando fotos no Twitter.

Celebridades e famosos tiveram fotos submetidas aos filtros de troca de gênero e vários memes surgiram.

View image on Twitter

O aplicativo ganhou espaço em julho do ano passado, com famosos usando o software para mostrar como ficariam depois de passar por um filtro que envelhece o usuário. À época, popularidade repentina do aplicativo também levantou suspeitas e a política de privacidade do Faceapp acabou virando polêmica, principalmente por não ter especificidade e deixar lacunas.

Por causa disso, muita gente aproveitou o retorno do app para relembrar os problemas que ele tinha: os termos de privacidade eram do tipo “receita de bolo”, copiados de outros contratos existentes na internet, e a origem da empresa fabricante era duvidosa.

Nova política de privacidade

A política de privacidade do Faceapp foi atualizada em dezembro de 2019, depois das polêmicas de 2019. O novo documento, que pode ser lido em português, é mais específico e deixa claro que o Faceapp coleta e usa informações dos usuários.

Leia mais:  Universidades desenvolvem ventiladores de baixo custo no Paraná, mas esbarram em burocracia e falta de recursos

Nos novos termos, o Faceapp afirma que coleta informações sobre o uso do aplicativo, redes sociais que podem ter sido usadas como forma de login, dados do aparelho e informações de navegação on-line no serviço da empresa ou em sites e aplicativos de terceiros.

Sobre as fotos, o Faceapp afirma que coleta apenas a imagem que o usuário escolheu modificar e que aplica criptografia, com chave armazenada no dispositivo. “Isso significa que apenas o dispositivo que pode ver a foto é o dispositivo que fez o upload da imagem”, diz a polícia de privacidade. Informações associadas às imagens (chamadas de metadados) são deletadas, segundo o Faceapp.

Quanto aos usos que faz das informações, o Faceapp diz que coleta esses dados para apresentar publicidade, enviar material promocional, para funcionamento do aplicativo e para criar novos dados “anônimos, agregados e não-identificados”.

O aplicativo diz ainda que compartilha as informações dos usuários com afiliados, provedores de serviços, parceiros publicitários, redes sociais e outros negócios. De acordo com a política, o aplicativo pode vender, transferir e até compartilhar alguns ou todos os ativos do negócio, incluindo informações pessoais dos usuários, caso seja comprado por outra empresa ou abra falência por exemplo.

Leia mais:  Inspirada no pai, pesquisadora da UFU desenvolve dispositivo para treinamento de usuários de cadeiras de rodas motorizadas

Nos novos termos, o Faceapp passou a incluir uma possibilidade de exclusão de informações, na área de suporte do aplicativo. Os dados das imagens e as fotografias enviadas são excluídas automaticamente entre 24h e 48h depois da última edição.

Por: G1

Comentários Facebook
Propaganda

Economia

Banco do Brasil libera uso do PIX em seu bot para WhatsApp

Publicados

em

Aproveitando a boa recepção do público, o Banco do Brasil se tornou a primeira instituição financeira do país a liberar o uso do PIX pelo WhatsApp. A novidade foi anunciada nesta semana e funciona de forma relativamente simples.

O usuário só precisa chamar o Banco do Brasil no WhatsApp (61 4004-0001), cadastrar sua conta e escrever a palavra PIX. Após isso, o mensageiro deve exibir um menu com as opções de pagar, receber ou cadastrar chave PIX.

Imagem/Reprodução: mobiletime

O bot usado pelo Banco do Brasil foi anunciado no ano passado e já faz uma série de outras operações. Caso o usuário já tenha se cadastrado no PIX, o uso da ferramenta no WhatsApp é ainda mais fácil:

Em casos de pagamento, o assistente virtual deve solicitar a chave PIX do recebedor e o valor. O banco deve informar o nome e a instituição de destino para confirmar a transação. Caso tudo esteja certo, basta apenas responder “sim” para receber um link seguro onde será necessário digitar a senha. Após essa etapa, o comprovante é exibido no mensageiro e pode ser compartilhado.

Caso o usuário queira receber, basta apenas escolher a opção no menu e informar a chave de recebimento, valor e descrição. Assim, o WhatsApp deve exibir um QR Code para ser compartilhado com o pagador. Vale lembrar que o Banco do Brasil é parceiro do sistema de pagamentos do WhatsApp, que ainda não foi liberado pelo Banco Central.

Leia mais:  Samsung Galaxy Z Fold 2: celular mais caro do Brasil custa R$ 13.999

FONTE: https://www.tudocelular.com/mercado/noticias/n166485/banco-do-brasil-pix-whatsapp-bot-pagamentos.html

Comentários Facebook
Continue lendo

ITURAMA E REGIÃO

POLICIAL

POLÍTICA

ECONOMIA

Mais Lidas da Semana