conecte-se conosco

Tecnologia

App que muda idade e gênero volta à popularidade e usuários questionam privacidade e segurança

Publicado

O Faceapp, aplicativo que ficou famoso em 2019 por mudar feições e envelhecer rostos, voltou a ser um dos assuntos mais comentados deste fim de semana, com usuários compartilhando fotos no Twitter.

Celebridades e famosos tiveram fotos submetidas aos filtros de troca de gênero e vários memes surgiram.

View image on Twitter

O aplicativo ganhou espaço em julho do ano passado, com famosos usando o software para mostrar como ficariam depois de passar por um filtro que envelhece o usuário. À época, popularidade repentina do aplicativo também levantou suspeitas e a política de privacidade do Faceapp acabou virando polêmica, principalmente por não ter especificidade e deixar lacunas.

Por causa disso, muita gente aproveitou o retorno do app para relembrar os problemas que ele tinha: os termos de privacidade eram do tipo “receita de bolo”, copiados de outros contratos existentes na internet, e a origem da empresa fabricante era duvidosa.

Nova política de privacidade

A política de privacidade do Faceapp foi atualizada em dezembro de 2019, depois das polêmicas de 2019. O novo documento, que pode ser lido em português, é mais específico e deixa claro que o Faceapp coleta e usa informações dos usuários.

Leia mais:  Ferramenta usa inteligência artificial para parar de fumar

Nos novos termos, o Faceapp afirma que coleta informações sobre o uso do aplicativo, redes sociais que podem ter sido usadas como forma de login, dados do aparelho e informações de navegação on-line no serviço da empresa ou em sites e aplicativos de terceiros.

Sobre as fotos, o Faceapp afirma que coleta apenas a imagem que o usuário escolheu modificar e que aplica criptografia, com chave armazenada no dispositivo. “Isso significa que apenas o dispositivo que pode ver a foto é o dispositivo que fez o upload da imagem”, diz a polícia de privacidade. Informações associadas às imagens (chamadas de metadados) são deletadas, segundo o Faceapp.

Quanto aos usos que faz das informações, o Faceapp diz que coleta esses dados para apresentar publicidade, enviar material promocional, para funcionamento do aplicativo e para criar novos dados “anônimos, agregados e não-identificados”.

O aplicativo diz ainda que compartilha as informações dos usuários com afiliados, provedores de serviços, parceiros publicitários, redes sociais e outros negócios. De acordo com a política, o aplicativo pode vender, transferir e até compartilhar alguns ou todos os ativos do negócio, incluindo informações pessoais dos usuários, caso seja comprado por outra empresa ou abra falência por exemplo.

Leia mais:  Mau tempo adia lançamento de foguete da SpaceX

Nos novos termos, o Faceapp passou a incluir uma possibilidade de exclusão de informações, na área de suporte do aplicativo. Os dados das imagens e as fotografias enviadas são excluídas automaticamente entre 24h e 48h depois da última edição.

Por: G1

Comentários Facebook
publicidade

Tecnologia

Falha em componente do Windows deixa computador vulnerável ao visualizar imagens

Publicado

Microsoft disponibilizou uma atualização de segurança para um componente opcional do Windows usado para reproduzir vídeos em formato HEVC. A exploração da falha exige a criação de um arquivo especial, mas, se um arquivo desse tipo for criado, o computador poderia estar vulnerável ao abrir arquivos de imagem, explicou a Microsoft.

A falha chama a atenção pela possibilidade de ataque. Arquivos de áudio, vídeo e imagens são por regra inofensivos, exceto quando existe esse tipo de vulnerabilidade. O método usado para distribuir a atualização – a Microsoft Store – também é pouco usual, já que o canal regular para essas atualizações é o Windows Update.

O componente vulnerável, chamado “Extensões de vídeo HEVC”, não é incluído com o Windows e precisa ser comprado na Microsoft Store. Uma vez instalado, ele se integra ao sistema e pode ser acionado por qualquer visualizador de vídeos e imagens – não é um software independente.

Apps nativos do Windows como o “Fotos” e o “Filmes e TV” são alguns dos programas que podem tirar proveito da presença desse componente.

Embora não faça parte da instalação do Windows, as extensões HEVC podem ser pré-instaladas por integradoras que fabricam desktops e notebooks. Quando instalado por fabricantes, o app tem um nome diferente: “Extensões de vídeo HEVC do Fabricante do Dispositivo”.

De acordo com a Microsoft, a falha foi relatada por meio do Zero Day Initiative, um programa de recompensa de falhas independente mantido pela empresa de segurança digital Trend Micro. Isso significa que a falha é considerada confidencial e não há indícios de que ela foi usada em qualquer ataque até o momento.

Leia mais:  Ferramenta usa inteligência artificial para parar de fumar

Fora da agenda e do Windows Update

O cronograma da Microsoft determina que atualizações de segurança sejam lançadas apenas na segunda terça-feira de cada mês.

Como a atualização foi lançada nesta quarta-feira (1º), ela normalmente seria considerada “urgente”, já que as atualizações regulares serão disponibilizadas só no dia 14.

No entanto, a Microsoft informou que essa atualização – por ser disponibilizada pela Microsoft Store – não está sujeita ao cronograma. Um documento no site da empresa diz que a as atualizações dos aplicativos presentes na loja são oferecidas “sempre que necessário”.

Outra diferença é que a atualização é aplicada pela Microsoft Store e não pelo Windows Update, que baixa as demais atualizações do Windows. A instalação da atualização precisa ser conferida no próprio app da “Microsoft Store”, em “Minha biblioteca”, na seção “Downloads”. A presença do componente também pode ser verificada no mesmo local, na seção “Instalados”.

Seção 'Minha biblioteca' do App da 'Microsoft Store' indica se componente está instalado — Foto: Reprodução

Seção ‘Minha biblioteca’ do App da ‘Microsoft Store’ indica se componente está instalado — Foto: Reprodução

A atualização deve ser instalada automaticamente pela Microsoft Store. Usuários que tentaram desabilitar a Microsoft Store ou empresas que modificaram seus sistemas para limitar a loja, por outro lado, precisam verificar se a atualização foi instalada corretamente.

Ao contrário do Windows Update, que não pode ser permanentemente desativado no Windows 10, a Microsoft Store tem uma opção que desabilita as atualizações automáticas.

O que fazem as ‘Extensões HEVC’?

O HEVC (High Efficiency Video Coding) é uma tecnologia para a compressão de imagens de vídeo. Ela é também conhecida como H.265, pois é tida como sucessora do H.264 (que por sua vez era conhecido como AVC, ou Advanced Video Coding).

Leia mais:  Mau tempo adia lançamento de foguete da SpaceX

A compressão de vídeo é uma técnica que identifica semelhanças em uma sequência de imagens para que arquivos de vídeo tenham tamanhos menores.

O HEVC foi criado para melhor aproveitar as capacidades dos equipamentos recentes na compressão de vídeos, principalmente para imagens 4K e 8K. Por ser mais eficiente, ele retém mais detalhes da imagem sem aumentar o tamanho do arquivo ou então cria vídeos em tamanho menor sem sacrificar tanta qualidade quanto os métodos mais antigos.

LEGENDA: Opção de uso de H.265 (HEVC) para gravar arquivos de vídeo em celular. Sem software compatível, computador não poderá abrir o arquivo. — Foto: Reprodução

LEGENDA: Opção de uso de H.265 (HEVC) para gravar arquivos de vídeo em celular. Sem software compatível, computador não poderá abrir o arquivo. — Foto: Reprodução

O HEVC é usado no Blu-Ray UHD (4K). Celulares mais novos também permitem selecionar o codec de gravação, dando opções entre AVC/H.264 e HEVC/H.265.

Se o computador não tiver algum software compatível para a reprodução de HEVC, não será possível abrir esses arquivos de vídeo. As extensões HEVC adicionam essa compatibilidade aos programas nativos do Windows, como o “Filmes e TV” e o “Fotos”, bem como qualquer outro software que acione os recursos de vídeo do Windows.

Outros programas que reproduzem vídeo, como o VideoLAN (VLC), são compatíveis com esse formato e não dependem do suporte incluído no Windows. Sendo assim, não é obrigatório instalar essa extensão da Microsoft.

Por: G1

Comentários Facebook
Continue lendo

Mais Lidas da Semana