conecte-se conosco


POLÍTICA

Após polêmica, Mourão confirma exoneração de assessor: “assunto encerrado”

Publicado

source
Vice-presidente deu assunto por encerrado nesta sexta-feira
Alan Santos/PR

Vice-presidente deu assunto por encerrado nesta sexta-feira

Após a exoneração do seu assessor que procurou o chefe de gabinete de um deputado , o vice-presidente Hamilton Mourão afirmou nesta sexta-feira (29) que o assunto está “encerrado”. A exoneração foi publicada na noite de quinta-feira em edição extra do Diário Oficial da União.

O caso foi revelado na quinta-feira pelo site “O Antagonista”. Ricardo Roesch Morato Filho, então chefe da Assessoria Parlamentar da Vice-Presidência da República , mandou mensagem para o assessor de um deputado federal, cuja identidade não foi revelada, pedindo para marcar uma conversa e dizendo que Mourão é “mais preparado” que Bolsonaro .

Na manhã desta sexta, ao chegar no Palácio do Planalto, Mourão disse que a situação está resolvida: “resolvido. Assunto encerrado”.

O vice-presidente afirmou que a situação foi “lamentável” porque ele não concorda com um impeachment e porque essa não é a “forma” que ele trabalha.

Você viu?

“Foi uma situação lamentável. Em primeiro lugar, porque eu não concordo com processo de impeachment . Segundo lugar, porque não é a forma que eu trabalho. Uma troca de mensagens imprudente gera um ruído totalmente desnecessário no momento que a gente está vivendo. A partir daí, a pessoa que tinha um cargo de confiança perde a confiança para exercer esse cargo”, disse.

Mourão disse que não conversou com Bolsonaro sobre o assunto porque o presidente estava viajando na quinta-feira e porque é um problema da sua “cozinha interna”: “não conversei. Ele estava viajando ontem. É um problema da minha cozinha interna”.

Comentários Facebook
publicidade

POLÍTICA

Senadores falam em impeachment de Bolsonaro por pandemia, diz jornalista

Publicado

por

source
Tasso Jereissati (PSDB-CE), puxou a conversa
Marcos Oliveira/Agência Senado

Tasso Jereissati (PSDB-CE), puxou a conversa



Senadores de oito partidos, incluindo integrantes da base aliada, criticaram o presidente Jair Bolsonaro e apoiaram a criação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito ( CPI ) para responsabilizá-lo pela atuação durante a pandemia de Covid-19 . As informações são da coluna do jornalista Guilherme Amado, da revista Época.

A coluna teve acesso a capturas de telas de conversas em um grupo do WhatsApp – na conversa, estão os 81 senadores. Quem puxa o assunto da CPI é Tasso Jereissati (PSDB-CE), comentando a presença de Bolsonaro no Ceará , onde causou aglomeração e criticou as restrições de circulação impostas por governadores para tentar conter o avanço da disseminação do novo coronavírus (Sars-Cov-2).

O senador teve o apoio de colegas de vários partidos, que concordaram que Bolsonaro precisa ser responsabilizado. São eles: PSD, MDB, PT, Cidadania, Rede, PROS, Podemos e Republicanos.

“Senadoras e senadores, o presidente Bolsonaro esteve no Ceará, ontem, sexta-feira, quando cometeu pelo menos dois crimes contra a saúde pública, ao promover aglomerações sem proteção e ao convocar a população a não ficar em casa, desafiando a orientação do governo do estado e ainda ameacando o governo de não receber o auxílio emergencial. Desta maneira a instalação da CPI no Senado tornou-se inadiável. Não podemos ficar omissos diante dessas irresponsabilidades que colocam em risco a vida de todos brasileiros”, escreveu Jereissati, às 14h27 deste sábado (27).

Leia mais:  Sem máscara, Bolsonaro ignora pandemia e participa de ato pró-governo

Em seguida, começaram os apoios. “Toda razão amigo Tasso, o PR (presidente Bolsonaro) afronta os governadores que estão na ponta cuidando da saúde nos estados, cabe ao Senado, a Casa da federação, contestar essa ação equivocada do PR JB, que leva a quebra de protocolos e leva à expansão da doença no país”, escreveu Otto Alencar (PSD-BA). “O PR receitou cloroquina, depois reconheceu que era placebo, muitos usaram. Aqui na Bahia alguns morreram por parada cardíaca, inclusive um médico morreu, Dr Moisés, de Ilhéus, por parada cardíaca”, acrescentou.

“Isto, mestre Tasso. Dói na alma estas coisas. Ainda bem que temos governadores e prefeitos que cumprem seus deveres”, pontuou Confúcio Moura (MDB-RR). “Concordo 100%”, escreveu Alessandro Vieira  (Cidadania-SE).

Você viu?

“Concordo, Tasso”, respondeu a senadora Zenaide Maia (PROS-RN). “Registrei imediatamente as inconsequentes posturas presidenciais, com o respeito cabível e exigível, ao fazer carreata no dia que se verificara o maior número de óbitos de nacionais”, apontou Veneziano Vital do Rêgo  (MDB-PB).

“Esse negacionismo já passou do limite. O Brasil já ultrapassou os 250 mil mortos e vamos ter lamentavelmente próximos dias muito graves em mortes e colapso da rede pública em vários estados”, criticou Eduardo Braga (MDB-AM).

“Concordo e apoio a iniciativa do senador Tasso! Nosso PR tem tido um comportamento totalmente errado em relação a como cuidar dos brasileiros no que diz respeito à pandemia. Desde o início, tudo errado. Não é razoável que depois de tudo o que aconteceu no mundo ele continue nagacionista”, escreveu Oriovisto Guimarães (Podemos-PR).

Leia mais:  Erundina não teve contato com Boulos e não precisará fazer exame de Covid

“Um depoimento que contrapõe a insensatez e dureza de coração de muitos”, escreveu Mecias de Jesus  (Republicanos-RR), marcando um vídeo em que o secretário de Saúde de Rondônia critica as aglomerações. “Concordo com Tasso Jereissati. Agora mais do que nunca sobejam razões para instalar a CPI”, disse Randolfe Rodrigues (Rede-AP).

“Uma grande verdade, Tasso! Está na hora”, concordou Eliziane Gama (Cidadania-MA). “Concordo plenamente. Não há outro caminho”, escreveu Humberto Costa (PT-PE).

“Concordo 100% (II). Aqui em Natal, há ‘discípulos’ até hoje: o prefeito”, escreveu Jean Paul Prates  (PT-RN), junto com um vídeo em que o prefeito de Natal, Álvaro Costa Dias (PSDB), recomenda o uso de ivermectina . O medicamento não tem eficácia comprovada cientificamente para combater a Covid-19 .

Confira a lista de senadores que apoiaram a CPI contra Bolsonaro , de acordo com as mensagens obtidas pelo jornalista Guilherme Amado:

  • Tasso Jereissati (PSDB-CE)
  • Otto Alencar (PSD-BA)
  • Confúcio Moura (MDB-RR)
  • Alessandro Vieira (Cidadania-SE)
  • Zenaide Maia (PROS-RN)
  • Veneziano Vital do Rêgo (MDB-PB)
  • Eduardo Braga (MDB-AM)
  • Oriovisto Guimarães (Podemos-PR)
  • Mecias de Jesus (Republicanos-RR)
  • Randolfe Rodrigues (Rede-AP)
  • Eliziane Gama (Cidadania-MA)
  • Humberto Costa (PT-PE)
  • Jean Paul Prates (PT-RN)

Comentários Facebook
Continue lendo

Mais Lidas da Semana