conecte-se conosco


Economia

Aneel aprova redução nas tarifas de energia elétrica da EDP São Paulo

Publicado em

Economia

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) aprovou nesta terça-feira (22) a revisão tarifária da EDP São Paulo Distribuição de Energia S.A. Com isso, as tarifas dos clientes da distribuidora de energia elétrica em São Paulo vão ter redução da tarifa a partir de amanhã (23). 

A revisão tarifária é prevista nos contratos de concessão e tem por objetivo manter o equilíbrio dos valores com base na remuneração dos investimentos das empresas voltados para a prestação dos serviços de distribuição e para a cobertura de despesas. 

A concessionária EDP Brasil atende 1,9 milhão de consumidores em 28 municípios do estado de São Paulo, especialmente nas regiões do Alto do Tietê, Vale do Paraíba e Litoral Norte. 

Para os consumidores residenciais, a queda será de 6,45%. Já para as indústrias e grandes comércios a redução será de 3,53%.

Edição: Aline Leal

Comentários Facebook
Leia mais:  Guedes nega extensão de auxílio emergencial em 2021
Propaganda

Economia

Bolsa sobe pelo quinto dia seguido e atinge maior nível desde janeiro

Publicados

em

Por

Em mais um dia de otimismo no mercado financeiro, a bolsa de valores voltou a subir e alcançou o melhor nível desde janeiro. O dólar caiu pela quarta sessão seguida e voltou a fechar abaixo de R$ 5,60.

O índice Ibovespa, da B3, encerrou esta sexta-feira (16) aos 121.114 pontos, com alta de 0,34%. O indicador começou o dia em queda, mas recuperou-se durante a tarde.

Com ganhos pelo quinto dia seguido, o Ibovespa acumulou alta de 2,93% na semana e atingiu o nível mais alto desde 18 de janeiro. O índice acumula alta de 3,84% em abril e de 1,76% em 2021.

O mercado de câmbio também teve um dia de euforia. O dólar comercial encerrou a sessão vendido a R$ 5,585, com recuo de R$ 0,043 (-0,77%). A cotação iniciou o dia em alta, atingindo R$ 5,67 na máxima do dia, por volta das 10h30. No entanto, reverteu a tendência e passou a cair ainda no fim da manhã.

O mercado financeiro foi impulsionado pelo otimismo externo, com a queda no rendimento dos títulos do Tesouro norte-americano. Com a inflação nos Estados Unidos permanecendo em níveis baixos, apesar do pacote de US$ 1,9 trilhão do governo do presidente Joe Biden, diminuíram as apostas de que o Federal Reserve (Banco Central norte-americano) aumentará os juros antes do previsto.

Leia mais:  Câmbio melhorou, mas continuará volátil, diz presidente do BC

Juros baixos em economias avançadas estimulam a entrada de capitais em países emergentes, como o Brasil. No cenário interno, os investidores aguardam a definição sobre o Orçamento Geral da União de 2021, que precisa ser sancionado até o dia 22. A equipe econômica e o Congresso discutem vetos parciais a emendas parlamentares, que foram infladas em R$ 26,4 bilhões com o remanejamento de despesas obrigatórias, como gastos com a Previdência Social e o seguro-desemprego

* Com informações da Reuters

Edição: Aline Leal

Comentários Facebook
Continue lendo

ITURAMA E REGIÃO

POLICIAL

POLÍTICA

ECONOMIA

Mais Lidas da Semana