conecte-se conosco

EDUCAÇÃO

Aluno de odontologia da UB diz que é tratado como cachorro

Publicado

Um aluno do curso de odontologia da Universidade Brasil em Fernandópolis disse que está sendo tratado como “cachorro” pela instituição. Beneficiado pelo Fies, o estudante não tem resposta da diretoria da sobre sua matrícula no curso.

O caso vem se arrastando desde janeiro e até agora a Universidade Brasil não resolveu a questão e ainda deixou de responder mais de 60 e-mails enviados pelos alunos que estão na mesma situação.

“Fizemos todas as documentações necessárias para o cadastramento do semestre e não estamos regularizados na universidade e até hoje somos apenas pré-matriculados desde janeiro. Mandamos vários e-mails e inclusive aluno que mandou mais de 60 e-mails e não fomos correspondidos pela universidade Brasil”, reclamou.

Para ele, a universidade não regulariza no sistema. “Fizemos diversas reclamações para que os boletos sejam regularizados com o desconto do programa do Fies e até o momento nada acontece. Estão nos enviando o boleto com o valor cheio, mas temos informações que a Universidade está recebendo o dinheiro do Fies”, desabafou.

Outra estudante afirmou que está cansada de tanto descaso. “Eu tenho Fies, mas, desde janeiro de 2020, não consigo pagar meus boletos, pois os mesmo estão chegando sem o desconto do benefício, É grande a falta de respeito para com os alunos. São vários nessa mesma situação, entre outros problemas como, matéria que não aparece no portal, matérias que até pedir o cancelamento e continuam cobrando. Matéria cursada e aprovada está sendo cobrada como se não estivesse sido concluída. Estou cansada de tanto descaso e, em meio a essa pandemia, ninguém responde telefone e e-mails. Estamos abandonados à própria sorte”.

Leia mais:  Mulher é encontrada morta em apartamento em Votuporanga

Os nomes dos alunos serão mantidos em sigilo para que não haja retalhação.

 

Por: Região Noroeste

Comentários Facebook
publicidade

EDUCAÇÃO

Ministro da Educação Milton Ribeiro coloca Izabel Lima Pessoa à frente da Secretaria de Educação Básica

Publicado

O ministro da Educação Milton Ribeiro anunciou na manhã desta quarta-feira (5) a troca do comando da Secretaria de Educação Básica (SEB). Ele afirmou que convidou Izabel Lima Pessoa, que aceitou a oferta. Ilona Becskehazy deixa o cargo. A nomeação ainda precisa ser oficializada no “Diário Oficial da União”.

“Convidei para assumir a SEB do MEC a professora doutora Izabel Lima Pessoa, servidora de carreira da CAPES com muita experiência em gestão de ensino público. Ela aceitou e será a mais nova componente da nova equipe do MEC”, escreveu Ribeiro em uma rede social. Ribeiro afirmou ainda que Carlos Nadalim vai permanecer à frente da Secretaria de Alfabetização.

Izabel é hoje diretora de Políticas e Diretrizes da Educação Básica, um dos braços da SEB. A secretaria que ela agora deve comandar é responsável por ações como a articulação e o apoio às redes de ensino, primordial na retomada das aulas presenciais.

De acordo com o seu currículo Lattes, Izabel Lima Pessoa é doutora em Política Social, mestre em Desenvolvimento Sustentável, especialista em Gestão de Políticas de Ciência e Tecnologia, e graduada em Letra. Ela declara ter experiência na elaboração e gestão de programas de formação de professores.

Leia mais:  Rio Preto tem mais de 200 festas ilegais durante quarentena

Ilona Becskehazy estava à frente da pasta desde que Janio Macedo pediu demissão do cargo, em 9 de abril. Macedo esteve no cargo por quase um ano.

Em 18 de julho, Ilona publicou o texto “Quem será que gostaria de ver a Ilona fora do MEC/SEB?” em que rebate acusações como a de ser “globalista” por ter trabalhado na Fundação Lemann, de ser “cirista” (neologismo ligado à família dos políticos Ciro Gomes e Cid Gomes) por ter estudado a educação em Sobral (CE), e de ser “jornalista de esquerda” por ter trabalhado na CBN.

No mesmo texto, Ilona afirma que nos primeiros 90 dias à frente da pasta ela trabalhou para “melhorar processos de gestão”, montar equipe, melhorar a interação com o Conselho Nacional de Educação (CNE), entre outras ações. Nesta quarta, ela participou de uma audiência pública no Senado sobre a educação na pandemia.

Por: G1

Comentários Facebook
Continue lendo

Mais Lidas da Semana