conecte-se conosco

POLÍTICA

Aliança pelo Brasil defende porte de armas e repudia comunismo; leia princípios

Publicado

source
Aliança pelo Brasil arrow-options
Reprodução/Twitter

Peça foi feita por Rodrigo Camacho

Os quatro princípios da Aliança pelo Brasil foram apresentados nesta quinta-feira (21) pela advogada do presidente Jair Bolsonaro durante o evento de lançamento da legenda no hotel Royal Tulip, localizado em Brasília. Apesar das incertezas sobre a viabilidade, a sigla possui fundamentos baseados na defesa ao porte de armas , ao repúdio do socialismo e ao comunismo, além de cunho religioso cristão

As bases da Aliança incluem 1) Respeito a Deus e à religião; 2) Respeito à memória, à identidade e à cultura do povo brasileiro; 3) Defesa da vida, da legítima defesa, da família e da infância; 3) Garantia da ordem, da representação política e da segurança. 

Leia mais: MBL protocola pedido de impeachment de Toffoli no Senado

“A Aliança pelo Brasil está convicta de que, com base nesses princípios, conseguirá capitanear um projeto de restauração nacional, que elevará o Brasil no contexto das nações e recuperará o orgulho do povo brasileiro pelo seu país, devolvendo-lhe o poder sobre os seus representantes e gerando uma nação próspera, consciente de si mesma, resolvida com sua identidade, atenta à sua herança, à sua memória e aos seus valores fundamentais, pronta para enfrentar o futuro grandioso para o qual foi chamada”, diz o programa da Aliança. 

Leia mais:  Carla Zambelli tira licença de uma semana da Câmara por gravidez

A Aliança foi apresentada como um partido conservador e soberanista que pretende combater “falsas promessas do globalismo”, comprometido com as “tradições históricas, morais e culturais” da nação brasileira. Os valores fundantes do Evangelho e da Civilização Ocidental e a “relação inseparável da Nação e Cristo”, também pautam a nova sigla. 

Leia também: Witzel diz que vai processar Bolsonaro: “quem não deve, não teme”

“O lugar de Deus na vida” é um dos pontos reconhecidos pela advogada de Bolsonaro. “O povo é majoritariamente religioso e não pratica a exclusão de Deus em suas vidas. Logo, não deve fazê-lo seus representantes”, afirmou ao Poder 360.

Em relação ao respeito à memória, a advogada de Bolsonaro conta que o partido vai se “esforçar para divulgar a verdade sobre os males e os crimes das mais variadas faces do movimento revolucionário, como o socialismo, o comunismo o nazifascismo e o globalismo”. 

A liberdade curricular e de ensino serão incentivados pela legenda, uma vez que a Aliança responsabiliza “métodos pedagógicos fracassados” pelo analfabetismo nacional, segundo Kufa. 

Comentários Facebook
publicidade

POLÍTICA

MPF pede apuração sobre participação de Crivella e Bretas em evento evangélico

Publicado

por

source
Marcelo Bretas arrow-options
FÁBIO MOTTA

Juiz Marcelo Bretas, da Lava Jato no Rio de Janeiro, é evangélico.

O Ministério Público Federal ( MPF ) do Rio de Janeiro apresentou nesta segunda-feira um pedido para que Procuradoria Regional Eleitoral apure se houve violação à legislação eleitoral com a presença do prefeito Marcelo Crivella e do juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal Criminal, em evento evangélico e na inauguração de uma obra no último fim de semana.

Leia também:Sentenças de Moro na Lava Jato foram mais rápidas antes do impeachment de Dilma

A Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), representada por seu presidente nacional, Felipe Santa Cruz, protolocou na tarde desta segunda-feira junto ao Conselho Nacional de Justiça (CNJ) uma reclamação disciplinar contra o juiz federal Marcelo Bretas , da 7ª Vara Federal do Rio. Conforme adiantou o blog do jornalista Lauro Jardim, a representação pede que o corregedor nacional de Justiça, ministro Humberto Martins, instaure processo administrativo para apurar “atos de caráter político-partidário” e de ” autopromoção e superexposição” que possam ter sido praticados pelo magistrado. No sábado, ele participou de um evento evangélico no Rio com presidente Jair Bolsonaro e o prefeito Marcelo Crivella (Republicanos), entre outras autoridades.

Leia mais:  Maia defende valor menor para o fundo eleitoral do ano que vem

Na fundamentação do pedido feito ao CNJ, o documento elaborado pela OAB reúne reportagens que relatam a presença do magistrado na comemoração dos 40 anos da Igreja Internacional da Graça, classificado pela ordem como “de natureza política”. A celebração foi promovida pela congregação do missionário RR Soares na Enseada de Botafogo, na Zona Sul carioca, e embora tivesse propósito religioso, envolveu discursos políticos. Bolsonaro, por exemplo, agradeceu aos fiéis pelos votos que recebeu em 2018 e afirmou que “o Brasil está mudando”.

Bretas, que é responsável por julgar os processos da Operação Lava-Jato no Rio, já tinha participado no sábado de outro evento: ele foi à inauguração da alça de ligação da Ponte Rio-Niterói com a Linha Vermelha e chegou ao local no carro oficial do próprio presidente antes de subiu em um palco para discursos ao lado de ministros, prefeitos e deputados.

Leia também:8,7 mil vidas salvas: homicídios têm queda de 21,1% de janeiro a outubro de 2019

Leia mais:  Carla Zambelli tira licença de uma semana da Câmara por gravidez

Para a OAB , a participação do magistrado nos dois eventos contraria o disposto no artigo 95 da Constituição Federal, que dispõe sobre os direitos dos juízes e as condutas vedadas a eles. O inciso III, mencionado pela Ordem, diz que eles não podem “dedicar-se à atividade político-partidiária”.

Comentários Facebook
Continue lendo

Mais Lidas da Semana