conecte-se conosco


POLÍTICA

Aliança pelo Brasil defende porte de armas e repudia comunismo; leia princípios

Publicado

source
Aliança pelo Brasil arrow-options
Reprodução/Twitter

Peça foi feita por Rodrigo Camacho

Os quatro princípios da Aliança pelo Brasil foram apresentados nesta quinta-feira (21) pela advogada do presidente Jair Bolsonaro durante o evento de lançamento da legenda no hotel Royal Tulip, localizado em Brasília. Apesar das incertezas sobre a viabilidade, a sigla possui fundamentos baseados na defesa ao porte de armas , ao repúdio do socialismo e ao comunismo, além de cunho religioso cristão

As bases da Aliança incluem 1) Respeito a Deus e à religião; 2) Respeito à memória, à identidade e à cultura do povo brasileiro; 3) Defesa da vida, da legítima defesa, da família e da infância; 3) Garantia da ordem, da representação política e da segurança. 

Leia mais: MBL protocola pedido de impeachment de Toffoli no Senado

“A Aliança pelo Brasil está convicta de que, com base nesses princípios, conseguirá capitanear um projeto de restauração nacional, que elevará o Brasil no contexto das nações e recuperará o orgulho do povo brasileiro pelo seu país, devolvendo-lhe o poder sobre os seus representantes e gerando uma nação próspera, consciente de si mesma, resolvida com sua identidade, atenta à sua herança, à sua memória e aos seus valores fundamentais, pronta para enfrentar o futuro grandioso para o qual foi chamada”, diz o programa da Aliança. 

Leia mais:  Desembargadora presa na Bahia movimentou R$ 17 milhões desde 2013

A Aliança foi apresentada como um partido conservador e soberanista que pretende combater “falsas promessas do globalismo”, comprometido com as “tradições históricas, morais e culturais” da nação brasileira. Os valores fundantes do Evangelho e da Civilização Ocidental e a “relação inseparável da Nação e Cristo”, também pautam a nova sigla. 

Leia também: Witzel diz que vai processar Bolsonaro: “quem não deve, não teme”

“O lugar de Deus na vida” é um dos pontos reconhecidos pela advogada de Bolsonaro. “O povo é majoritariamente religioso e não pratica a exclusão de Deus em suas vidas. Logo, não deve fazê-lo seus representantes”, afirmou ao Poder 360.

Em relação ao respeito à memória, a advogada de Bolsonaro conta que o partido vai se “esforçar para divulgar a verdade sobre os males e os crimes das mais variadas faces do movimento revolucionário, como o socialismo, o comunismo o nazifascismo e o globalismo”. 

A liberdade curricular e de ensino serão incentivados pela legenda, uma vez que a Aliança responsabiliza “métodos pedagógicos fracassados” pelo analfabetismo nacional, segundo Kufa. 

Comentários Facebook
publicidade

POLÍTICA

“Não foi por invalidez”, diz Celso de Mello sobre aposentadoria

Publicado

por

source
Ministro Celso de Mello durante sessão do STF
Carlos Moura/SCO/STF

Ministro Celso de Mello durante sessão do STF

O ministro Celso de Mello , do Supremo Tribunal Federal (STF), desmentiu nesta sexta-feira (25) que a antecipação de sua aposentadoria em três semanas, passando para o dia 13 de outubro, não foi por invalidez. O boato surgiu depois que o decano da Corte antecipou também o retorno de um  período de licença médica que terminaria neste sábado (26).

“Não, NÃO foi por invalidez!!! Foi uma simples e voluntária aposentadoria, eis que possuo pouco mais de 52 anos de serviço público (Ministério Público paulista + Supremo Tribunal Federal)”, escreveu o ministro em comunicado divulgado pela assessoria de imprensa do STF.

Comentários Facebook
Leia mais:  Mourão diz ser contra quarentena de oito anos para ex-juiz se candidatar
Continue lendo

Mais Lidas da Semana