conecte-se conosco


POLÍTICA

Adélio teria dito que receberia R$ 500 mil para “matar Dr. Jair”, diz revista

Publicado em

POLÍTICA

source
Adélio arrow-options
Reprodução

Adélio Bispo de Oliveira deu uma facada em Bolsonaro durante a campanha eleitoral

Nesta sexta-feira (1°), a Revista Crusoé divulgou informações sobre uma possível testemunha do caso envolvendo o presidente Jair Bolsonaro e Adélio Bispo , homem que o atacou durante uma passeata em setembro de 2018. Segundo a publicação, o iraniano Farhad Marvizi contou que o acusado teria lhe revelado que receberia R$ 500 mil para “matar o Dr. Jair”.

Leia também: Frota diz que Bolsonaro afirmou que quer “continuar transando” com ele; assista

A informação seria de um depoimento de Marvizi ao delegado que investiga o caso. Marvizi teria revelado ainda que se aproximou de Adélio no último mês de março e descobriu que ele faz parte de uma facção criminosa. Ele cita ainda que, além do valor do ‘serviço’, foi informado pelo próprio acusado de quem seria o mandante do atentado e quem lhe revelou que Bolsonaro estaria em Juiz de Fora. Ambos, segundo a denúncia, são políticos.

Ainda de acordo com a publicação, o iraniano teria enviado carta ao presidente, revelando os detalhes que coletou com Adélio, mas garantiu que só revelaria os nomes se ganhasse o perdão judicial de Bolsonaro.

Leia mais:  Bolsonaro alega que sua família sofre 'perseguição' pela Lava-Jato

Tal episódio foi divulgado no início do último mês de outubro, quando Bolsonaro postou vídeo falando sobre o recebimento da mensagem: “Chegou ao meu conhecimento uma carta do vizinho de cela contando por alto quem poderia ser o mandante do crime . Eu não quero falar o nome do cara porque podem vir me questionar, vão falar que eu que forjei essa carta para criticar o João da Silva de tal partido”.

O caso é considerado fechado pela Justiça . Ainda em julho, o presidente decidiu, assim como o Ministério Público Federal ( MPF ), não recorrer da decisão de que Adélio seria inimputável por ter transtorno de mental, mesmo após ter questionado a decisão e afirmar que iria recorrer.

A informação sobre o  trânsito em julgado foi antecipada pela própria Crusoé e confirmada pela reportagem do O Globo . Adélio foi considerado inimputável por ter uma doença mental. Laudos anexados ao processo atestaram que o autor do atentado tem Transtorno Delirante Persistente e que o crime foi cometido em função desta condição.

Leia mais:  Decreto editado por Bolsonaro permite atividades religiosas durante pandemia

Leia também: Teoria sobre tema da redação do Enem ganha força na web, mas não convence todos

“Sendo a inimputabilidade excludente da culpabilidade, a conduta do réu, embora típica e antijurídica, não pode ser punida por não ser juridicamente reprovável, já que o réu é acometido de doença mental que lhe suprimiu a capacidade de compreender o caráter ilícito do fato e de se determinar de acordo com este conhecimento”, escreveu o juiz Bruno Souza Savino na sentença.

Comentários Facebook
Propaganda

POLÍTICA

Após ser alvo de representação, Kajuru desafia Flávio no Conselho de Ética

Publicados

em

Por

source
Senador Jorge Kajuru (Cidadania-GO) divulgou áudio de conversa com Bolsonaro
Edilson Rodrigues/Agência Senado

Senador Jorge Kajuru (Cidadania-GO) divulgou áudio de conversa com Bolsonaro

Após ser representado pelo senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) no Conselho de Ética nesta segunda-feira (12), o senador Jorge Kajuru (Cidadania-GO) disse que desafia o filho do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) a um escrutínio do colegiado. Flávio é investigado no inquérito das “rachadinhas”, que apura um esquema de corrupção e lavagem de dinheiro no gabinete do parlamentar na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj).

Kajuru disse que riu ao saber da representação de Flávio Bolsonaro no Conselho de Ética . O filho do presidente alegou que o colega de Senado teve uma “conduta imoral” ao gravar Bolsonaro sem consentimento e divulgar o áudio em que ele falava sobre a criação da CPI da pandemia .

“Eu ri, eu ri, o que posso fazer? Nessa hora, você tem que rir. Para mim, foi motivo de dar risada logo ele, entre 81 senadores, o que me representa no Conselho de Ética é quem exatamente deveria estar no Conselho de Ética? Porque eu nunca fui acusado de crime. Nenhuma esfera da Justiça nunca me denunciou por nada, nem na minha vida jornalística, nem na minha vida política. A Polícia Federal nunca foi na minha casa às 6h30 da manhã, eu nunca fui manchete negativa do Jornal Nacional. Eu fiz um convite a ele: Já que ele me quer no conselho de ética, eu também faço o mesmo convite: vamos juntos, vamos ver se você tem coragem de ir lá e explicar uma denúncia grave contra você”, disse Kajuru.

Leia mais:  Maia: proposta do governo é insuficiente para três meses

O senador reafirmou que está tranquilo sobre a apuração do Conselho de Ética e colocou a quebra do sigilo telefônico à disposição.

Você viu?

“Ele (Bolsonaro) não só sabia (que estava sendo gravado) como respondeu pra mim: ‘Kajuru, não tenho nada a esconder’, quando comuniquei a ele que ia para o ar às 12h40. Pode abrir o sigilo telefônico dos dois. Vamos ver quem está falando a verdade. Estou tranquilíssimo, consciência limpa, fiz a minha missão e a cumpri de forma completamente honesta e indiscutível e insofismável”, disse.

Kajuru minimizou o fato de o Cidadania convidá-lo a deixar o partido. O senador disse que partiu dele a sinalização que abandonaria da legenda por divergir da cúpula. Kajuru disse que é independente e negocia sua ida para o Podemos.

“Eu os avisei hoje cedo. Há três meses estou acertando com o senador Álvaro Dias para ir para o Podemos. Eu só continuei no Cidadania por respeito por admiração ao Alessandro (Vieira, senador), a Eliziane (Gama, senadora) e ao carinho do Roberto Freire, mas eu não sou obrigado a concordar com tudo o que o Roberto Freire quer. Quando eu vi que tinha gente do partido contra a CPI (que inclui Estados e municípios) eu me decepcionei, acabou o casamento. Com o acontecimento de hoje, eu me antecipei: podem me expulsar, fazer o que quiser, eu não estou nem aí. Quero ir para o Podemos”, disse Kajuru. “Eu fiquei feliz. Foi a melhor notícia da minha vida hoje foi essa. Estou livre para ir para o partido que eu quero”, completou.

Leia mais:  Decreto editado por Bolsonaro permite atividades religiosas durante pandemia

Comentários Facebook
Continue lendo

ITURAMA E REGIÃO

POLICIAL

POLÍTICA

ECONOMIA

Mais Lidas da Semana