conecte-se conosco

POLÍTICA

“A partir de janeiro vou estar na rua”, diz Lula em evento em São Paulo

Publicado

source
Lula fazendo discurso durante relançamento de livro arrow-options
Rayanne Albuquerque/iG

Lula participou de relançamento de livro lançado em 2018, quando ele ainda estava preso

O ex-presidente Lula voltou a falar que é vítima de perseguição nesta terça-feira (10) em um evento na região central de São Paulo e disse que “vai estar na rua” a partir de janeiro do ano que vem. O petista também comentou a operação da Polícia Federal que fez trabalhos de busca e apreensão no âmbito de investigações de repasses do grupo Oi para uma empresa do filho dele Fábio Luis Lula da Silva, conhecido como Lulinha .

“Eu fico preocupado porque essa gente, agindo como está, joga no descrédito instituições que criamos ao longo da história do País que precisam ter credibilidade e precisam honrar a função das pessoas”, disse o ex-presidente.

Lula também voltou a criticar a imprensa e disse que os veículos de comunicação “construíram mentiras” sobre ele para evitar que ele pudesse voltar à presidência. “Como sabiam que eu ia
ganhar no voto, contruíram mentiras. Mentiras apoiadas pela mídia brasileira. Eu tenho consciência que eles não vão me dar trégua, mas também tenho a certeza de que não vou dar trégua pra eles”, afirmou.

Leia mais:  Bolsonaro dá entrada em hospital para fazer 'exames de rotina'

Leia também: Lava Jato investiga pagamentos suspeitos a empresas de filho de Lula

Sem citar nomes, o ex-presidente também fez críticas ao governo. “Essa agente que está aí eu considero gente do mal. Não está para construir, está para destruir todos os sonhos que construimos”, disse o petista.

O evento desta terça-feira foi o relançamento do livro A Verdade Vencerá: O Povo Sabe por que me Condenam , realizado na Quadra dos Bancários, no centro de São Paulo. A obra foi lançada em 2018 pela editora Boitempo quando o petista ainda cumpria pena na Superintendência da Polícia Federal, em Curitiba, no caso do sítio de Atibaia.

Leia também: “Procuradores viciados em holofotes”, diz Lula sobre investigação do filho dele

Ele foi solto após o Supremo Tribunal Federal (STF) mudar o entendimento que tinha desde 2016 sobre prisões após condenação em segunda instância. Por 6 votos a 5, a Corte decidiu condenados em segundo grau de jurisprudência podem recorrer em liberdade até que sejam esgotadas as últimas possbilidades de recurso, o chamado trânsito em julgado.

Leia mais:  Alcolumbre elogia Flávio Bolsonaro e descarta processo no Senado

Comentários Facebook
publicidade

POLÍTICA

Bolsonaristas provocam MBL após prisão de empresário: “Projeto tosco de poder”

Publicado

por

source
Carlos Augusto de Moraes Alfonso, empresário ligado ao MBL
Reprodução/Facebook

Carlos Augusto de Moraes Alfonso, empresário ligado ao MBL

Apoiadores do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e pessoas ligadas a ele no governo federal fizeram uma provocação ao Movimento Brasil Livre (MBL) nas redes sociais lançando neste sábado (11) a hashtag #DerreteMBL. As publicação ocorre um dia depois da  prisão de um empresário ligado ao grupo.

Entre os que aderiram às provocações está ministro Marcelo Álvaro Antônio , que chefia a pasta do Turismo no Planalto. Ele usou o Twitter para acusar o grupo de ser “quadrilha”, citando o deputado federal Kim Kataguiri (DEM-SP), que é um dos nomes ligados ao MBL mais conhecidos.

“Essa turminha é muito boa em criticar, mas, na verdade, não passam de uma quadrilha com um projeto tosco de poder, capitaneada pelo ‘Dep. faKIM News'”, escreveu Álvaro Antônio.

Leia mais:  Bolsonaro posta vídeo em que se compara a leão alvo do PT, PSL, STF e imprensa

Um dos ataques também veio do deputado Eduardo Bolsonaro, filho do presidente, que disse que o MBL e outros deputados fazem parte de uma “milícia digital”.

O motivo das provovações foi o cumprimento de seis mandados de busca e apreensão e dois mandados de prisão nesta sexta da Polícia Civil de São Paulo e do Ministério Público contra nomes ligados ao MBL.

A operação, batizada de “Júnior Moneta”, investiga fraudes e desvios de até R$ 400 milhões. Apesar da ligação entre os presos e o MBL, o MP afirmou que os desvios até o momento não são da alçada política, e sim em empresas ligadas aos presos.

Leia mais:  Advogado de Bolsonaro sonegou informação sobre áudio, diz diretor da Globo

Um dos alvos foi Carlos Augusto de Moraes Alfonso, que usava o pseudônimo de Luciano Ayan nas redes sociais, e já foi considerado uma espécie de “guru” do MBL.

Comentários Facebook
Continue lendo

Mais Lidas da Semana